A antiga Casa de Banhos do Recife

Por Wilton Carvalho

O Recife de Antigamente tem muitas histórias. Histórias verídicas, inventadas, distorcidas e muitas lendas. Histórias que vão se modificando ao longo do tempo, seja por falta de registros ou mesmo para benefício de alguém. A Veneza Americana, como cita Manuel Bandeira em seu poema Evocação do Recife, ficou famosa pelos rios e canais que cortam a cidade. Recife que nasceu como uma cidade portuária, cresceu a partir da sua Ilha do Recife, conhecida hoje como Bairro do Recife, banhado pelo Oceano Atlântico. Era uma pequena faixa de terra amparada pelos arrecifes naturais, que deram nome à cidade.
Um lugar no Recife para banhos medicinais.


E foi justamente esses arrecifes que atraíram o Sr. Carlos José de Medeiros a construir sua residência sobre eles. O local escolhido foi próximo à bacia do Pina e à ponte Giratória e, para isso, ele solicitou a autorização ao Governo para a construção e foi prontamente atendido. A casa foi construída em madeira e ferro e foi inaugurada em 1880. Mario Sette, escritor pernambucano, comparava a casa a um navio sem mastro com suas janelas camarotes e terraços de convés, tamanha era a imponência da residência do Sr. Carlos.
Uma pena não a termos mais em Recife.


Era uma época em que a população recifense não utilizava a água do mar como uma opção para diversão e banho. As águas dos rios eram as mais procuradas e a cultura no fim do século XIX era de que a água salgada serviria para fins medicinais. Os banhos de água do mar eram receitados por médicos para a cura de diversas doenças e males.
Um outro belo ângulo da Casa de Banhos.


A localização da residência do Sr. Carlos, com piscinas naturais ao lado do Oceano Atlântico, tornou a casa um grande filão comercial para o proprietário, que resolveu torná-la uma hospedaria para repouso e para fins medicinais. Agora sendo uma casa comercial, passou a ser chamada de Grande Estabelecimento Balneário de Pernambuco, contudo o nome que a população adotou foi mesmo Casa de Banhos.
O povo recifense se esbaldava nesses banhos de saúde.


No início do século XX, mais precisamente em 1902, a casa possuía 102 compartimentos para toilette dos banhistas, cinco banheiros que poderiam atender simultaneamente 350 pessoas, salão de refeições, salas de leitura e outras dependências. O apelo comercial era forte. Falava-se de uma casa confortável, higiênica, com vestimentas apropriadas para uso dos hóspedes, com excelentes acomodações que não deixavam a desejar e com preços não superiores aos principais hotéis da cidade.
Distintas imagens dessa nossa saudosa Casa.


O negócio prosperou e atraía a cobiça de estrangeiros interessados em adquirir a Casa de Banhos. Até que o inglês Sydnei Rodhes conseguiu comprar a casa e tornou-se proprietário do estabelecimento. Fez diversas melhorias e inovações, porém não manteve os preços acessíveis à população, aumentou os valores e não agradou o então Governador do Estado, o General Emídio Dantas Barreto, que interferiu no negócio, estipulando preços e tornando obrigatório e gratuito os banhos diários para vinte doentes pobres da Santa Casa de Misericórdia do Recife.

Quer saber o que aconteceu com ela em 1920?

Depois de um período de grande prestígio da casa, o negócio entrou em decadência, tendo ainda como proprietário o inglês Sydney Rodhes. De repente um incêndio surgiu do nada, mesmo a casa sendo cercada de água por todos os lados — ela foi destruída. Diziam que o Sr. Sydney havia feito diversos seguros para a Casa de Banhos e que rumores apontavam que o incêndio teria sido criminoso. Ah, essa é a parte da história que não sabemos, ao certo, se é verídica, inventada ou uma mera lenda, assim como muitas histórias do nosso Recife de Antigamente.

 

Fotos: Fundação Joaquim Nabuco e Museu da Cidade do Recife

Texto: baseado em um texto da Fundação Joaquim Nabuco

Fonte para consulta: Fundação Joaquim Nabuco

Izan Sant

Izan Sant

Um autor super do Bem.

Expresse-se...

Entrevista

VÊ, GALERA – Clica

msg do mês

Danielle Cruz - Msg do Mês de novembro

VOCÊ AQUI

Você Aqui - novembro de 2018

presente de artista

Aniversariantes

  • Adriana Birolli (atriz)
  • Alcione (cantora e sambista)
  • Alline Sarmento (advogada – Recife/PE)
  • Ana Paula Padrão (jornalista)
  • Angélica (cantora, apresentadora e atriz)
  • Antonia Guedes (técn. em Óptica, Igarassu/PE)
  • Conceição Teles (educadora: Ens. Médio – Olinda)
  • Deborah Secco (atriz)
  • Duca Rachid (novelista e dramaturga)
  • Emília Marques (atriz – Recife/São Paulo)
  • Fátima Sequeira (psicóloga, Rio de Janeiro)
  • Felipe Lima (ator)
  • Flávio Marcone (jorn./cineg./fotógrafo – Recife)
  • Francisco Cuoco (ator)
  • Gustavo Reiz (escritor e novelista)
  • Herson Capri (ator)
  • Iralvânia Nóbrega (pedagoga – Igarassu)
  • Jack Raf (estud.: Artes Cênicas, UFPE – Recife)
  • Jesiane Rocha (jornalista – Caruaru)
  • Jessany Sany (de 2o. grau completo – Recife)
  • Juan Lima (poeta e publicitário – Recife)
  • Lázaro Ramos (ator)
  • Luciana Mariano (prop. Lu Mariano Produções Ltda)
  • Luís Távora (ator – Recife)
  • Luiz Henrique Peixôto (prof./Informática – Paulista)
  • Marcus Vinitius (divulgador de eventos – Recife)
  • Marieta Severo (atriz)
  • Mônica Moraes (jornalista)
  • Natália Marinho (INNAM – Igarassu)
  • Natt Souza (atriz – Recife)
  • Rauani Castro (atriz e produtora – Recife)
  • Reynaldo Gianecchini (ator)
  • Thaís Araújo (atriz)
  • Thiago Fragoso (ator)
  • Thiago Nolasco (drag queen – Recife)
  • Thiago Pimenta (repres. comercial)
  • Tonny Vaz (cantor – Recife)
  • Vera Fischer (atriz)
  • Victor Gondim (modelo – Brasil/Pequim)
  • Will Tom (ator e theater – Rio de Janeiro)

Eventos

  • 02. Em São Paulo/SP: Peça teatral “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher, onde “mais do que amigos, os personagens são ‘irmãos’” – 21h – com Herson Capri e Genézio de Barros – SESC Santana / Av. Luiz Dumont Villares, 579
  • 03. Peça “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher, onde “mais do que amigos, os personagens são ‘irmãos’” – 21h – com Herson Capri e Genézio de Barros – SESC Santana / Av. Luiz Dumont Villares, 579, Santana/SP
  • 04. Peça teatral “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher, onde “mais do que amigos, 18 personagens são ‘irmãos’” – 21h – com Herson Capri e Genézio de Barros – SESC Santana / Av. Luiz Dumont Villares, 579, Santana/SP
  • 07. No Rio de Janeiro/RJ: estreia da peça “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher – 20h – de 07/11 a 30/11 – com Herson Capri e Genézio de Barros – Shopping da Gávea, Loja 264, 2º Piso / Rua Marquês de São Vicente , 52 – Gávea
  • 08. Peça “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher – 20h – de 07/11 a 30/11 – com Herson Capri e Genézio de Barros – Shopping da Gávea, Loja 264, 2º Piso / Rua Marquês de São Vicente , 52 – Gávea – Rio de Janeiro
  • 09. Em Olinda/PE: Toquinho e Demônios da Garoa apresentam De Vinicius a Adoniran – 21h30 – Plateia Especial: R$ 204 (inteira) e R$ 102 (meia), Plateia: R$ 164 (inteira) e R$ 82 (meia), Balcão: R$ 144 (inteira) e R$ 72 (meia) – Vendas: Bilheteria do teatro, lojas Ticketfolia e www.eventim.com.br. Teatro Guararapes / Centro de Convenções
  • 09. No Rio de Janeiro/RJ: peça “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher – 21h – de 07/11 a 30/11 – com Herson Capri e Genézio de Barros – Shopping da Gávea, Loja 264, 2º Piso / Rua Marquês de São Vicente , 52 – Gávea
  • 10. Em Recife/PE: Daniel Boaventura, dias 9 e 10 – 21h – Plateia Baixa Lateral: R$ 170 (inteira) e R$ 85 (meia), Plateia Alta: R$ 150 (inteira) e R$ 75 (meia), Balcão Nobre: R$ 130 (inteira) e R$ 65 (meia), Especial | Plateia Baixa Central: R$ 200 (preço único, com direito a CD DVD autografado e foto com o artista – Teatro RioMar / Av. República do Líbano, 251, 4º piso – RioMar Shopping
  • 14. No Rio de Janeiro/RJ: peça “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher – 20h – de 07/11 a 30/11 – com Herson Capri e Genézio de Barros – Shopping da Gávea, Loja 264, 2º Piso / Rua Marquês de São Vicente , 52 – Gávea
  • 15. Peça “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher – 20h – de 07/11 a 30/11 – com Herson Capri e Genézio de Barros – Shopping da Gávea, Loja 264, 2º Piso / Rua Marquês de São Vicente , 52 – Gávea, Rio de Janeiro
  • 16. Peça “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher – 21h – de 07/11 a 30/11 – com Herson Capri e Genézio de Barros – Shopping da Gávea, Loja 264, 2º Piso / Rua Marquês de São Vicente , 52 – Gávea, Rio de Janeiro
  • 22. Em Cabo de Santo Agostinho/PE: “Frenesi”, peça teatral com Priscila Cardoso, Atriz Premiada em Recife pelo EmCena PE – 19h – Auditório Luiz Lacerda (ao lado da escola-modelo Antônio Benedito da Rocha) / Rua Linha, 72-132, Garapu
  • 30. Em Olinda/PE: Simone encontra Ivan Lins – 21h30 – Plateia Especial: R$ 244 (inteira) e R$ 122 (meia), Plateia: R$ 204 (inteira) e R$ 102 (meia), Balcão: R$ 154 (inteira) e R$ 77 (meia) – Teatro Guararapes / Centro de Convenções

Recomendo

Entrar

Arquivos