O multiartista Victor Maia

O ator Victor Maia.
"Sou um cara hiperativo, muito exigente, metódico com o meu trabalho e bagunceiro dentro de casa. Canceriano; logo, apaixonado. 3D, como me chamam alguns amigos, e extremamente fiel a todos eles", assim se define, em parte, o jovem VICTOR MAIA. Ator formado pela UniRio, bailarino, cantor e coreógrafo nascido num 17 de julho.

Dono do personagem Ethan em Ou Tudo ou Nada, profissional respeitado pelos musicais dos quais participou, ora atuando, ora co-dirigindo ou coreografando, seu principal lema é: “Eu preciso levar alegria e prazer às pessoas”.

Quanto a você, quer receber esses manjares?

Ganhe um pouco dessa alegria e desse prazer, pois, com o Victor, na

ESPECIAL ENTREVISTA.  

 

IZAN SANT – Como é o seu dia, com tantas boas tarefas assim a desempenhar, e qual delas o satisfaz mais, ou todas?

VICTOR MAIAMeu dia é muito corrido. Acordo e vou correndo pra academia para malhar e correr. Pro meu dia-a-dia eu preciso estar fisicamente preparado e pro meu trabalho mais ainda. Saio da academia e ou vou para o Projac ensaiar as coreografias que monto para o Caldeirão do Huck, ou para as gravações do mesmo programa. Depois corro para o CEFTEM, Escola de Formação para Atores em Teatro Musical, onde dou aula de dança e cumpro minha função como professor. De quinta a domingo, tenho peça. Duas sessões no sábado. E ainda preciso conciliar com as aulas de canto e estudos paralelos. De verdade… eu amo fazer tudo isso. Tenho muito prazer em realizar todas essas atividades, mas, de fato, o palco é o gozo! É lá que eu respiro feliz e aliviado por estar basicamente realizando aquilo que venho me preparando há anos para fazer.
 

IS – O convite para Ou Tudo ou Nada. Deu-se…?

VM – O convite apareceu através dos produtores Eduardo Bakr e Tadeu Aguiar, que também dirige o espetáculo. Eu já havia trabalhado com eles em outros musicais e eles acharam que o Ethan, personagem que eu faço, seria bem defendido por mim, porque além de ser um personagem comigo, exige um trabalho de corpo muito forte. Não à toa eu me taco no chão 7 vezes por sessão e não posso me machucar.
 

IS – Você é um dos protagonistas do musical. Conceitue o Ethan, portanto, mas do seu ponto de vista exato.

VM – Ethan não sabe exatamente como, mas ele quer participar daquilo de alguma forma. Ele é um cara que ficou desempregado e realiza pequenas atividades para se manter com algum dinheiro, como encanador, pintor… mas depois que assiste o “Cantando na Chuva”, onde vê o ator Donald O'conner realizar um salto mortal coreografado pelas paredes, decide que quer fazer igual. Sempre quis ser um bailarino mas não tem o menor jeito pra dança. Quando fica sabendo do show de strip-tease, decide ir até lá e se voluntariar para participar, e, por mais que não tenha dotes artísticos, possui um dote essencial para a nova atividade: um imenso pênis. Assim sendo, ele vai, ao longo da peça, descobrindo suas novas habilidades e uma paixão improvável dentro daquele sexteto. Ele é um cara que tá pra jogo. E não vê a hora de se despir literalmente e metaforicamente.
Victor Maia. O policial de fantasia.


IS – O Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante do 4o. Botequim Cultural de Teatro pelo desempenho como esse personagem. Muita emoção?

VM – Realmente eu não esperava. O Ethan, dos 6 protagonistas, é o que tem a menor participação. Então a indicação e, sucessivamente, o prêmio, vêm como uma prova de que, mesmo sendo menor a participação, eu realizei um grande trabalho. Fiquei muito feliz.
Mais que sensual.


IS – A nudez de 50 segundos lá pelo meio da peça e a nudez do final. Tirou de letra?

VM – Não foi fácil. Nenhuma delas. Ficar pelado requer coragem. É um desafio à vaidade. Mostrar tudo para a plateia e para os colegas de cena foi algo que eu precisei ir me preparando psicologicamente durante o processo de ensaio. A coragem veio vindo. Não que eu tenha problema com meu corpo ou coisa parecida. Pelo contrário. Sou superbem resolvido e satisfeito. Mas ainda assim é preciso encontrar uma motivação para ficar peladão e assumir-se ali, na frente das pessoas, como viemos ao mundo. E, de todo o caso, a obra é muito bem escrita, então a nudez não é gratuita. Faz parte do contexto. Desse modo eu me sinto protegido para fazer as cenas. Hoje, confesso que adoro e, se pudesse, faria a peça toda pelado.
Victor. Um momento de nudez.


IS – Qual a cena mais feliz de Ou Tudo ou Nada? Na verdade, a ou as?

VM – Eu amo muito 4 cenas: a primeira, onde eu me apresento aos personagens e à plateia, me taco nas paredes, tiro a calça e saio contratado pelo grupo; a cena em que todos os protagonistas fazem o primeiro ensaio sem roupa, uns na frente dos outros e é um constrangimento só; a cena que canto um dueto com o André Dias, no momento em que estamos enterrando a mãe do personagem dele, que acabara de falecer; e, por fim a última cena, onde fazemos o grande show, momento mais esperado do espetáculo.
Mais uma do Ensaio Fotográfico.


IS – Trabalhos que mais adorou ter feito! Por quê?

VM – Antes do “Ou Tudo Ou Nada”, três trabalhos ficaram marcados na minha vida: “Quase Normal” (“Next to Normal”), musical americano montado no Brasil, também pelo Tadeu Aguiar, que me rendeu duas indicações a prêmio de melhor ator coadjuvante; “The Book of Mormon”, montado pela UNIRIO, que tive a sorte de coreografar e protagonizar nas últimas temporadas e era um deleite fazer mil e duzentas pessoas rirem todos os dias; e “O Meu Sangue Ferve Por Você”, musical que produzi e atuei ao lado de quatro amigos-atores-cantores maravilhosos, que começou despretensiosamente e teve uma carreira longa de quatro anos e meio!
Victor Maia. No ar.


IS – Tadeu Aguiar como diretor, uma nota e uma justificativa.

VM - Não dá pra dar uma nota para o Tadeu porque cada dia ele merece uma. Ele é um diretor generoso, ansioso, franco, bem-humorado e prático. Eu já trabalho com ele há cinco anos e posso dizer que cada vez que o encontro num projeto, ele está diferente. E é sempre uma deliciosa aventura trabalhar com ele. Ele esbanja amor por teatro e isso é contagiante. Conheço poucos homens tão guerreiros e corajosos quanto ele no ofício. Tadeu não deixa que a dificuldade do país destrua seu sonho e seu objetivo. Ele vai lá e faz. Ele, magicamente, dá um jeito e o espetáculo sai. É uma inspiração. Um verdadeiro empreendedor apaixonado e, ouso dizer, bem-sucedido.
Ethan em um dos seus pulos em cena.


IS – Beleza, para você, simboliza…?

Victor em mais um momento de Ethan.VM – Beleza pra mim é sinceridade, honestidade e essência. Tudo aquilo que é essencial e verdadeiro é belo.
 

IS – Paz de espírito é…?

VM – Consciência limpa e tranquila.
 

IS – Melhor novela e seu/s (sua/s) novelista(s) favorito(a/s)

VM – “Tieta” e “Avenida Brasil”. Atualmente, Joao Emanuel Carneiro.
 

IS – Seu livro de cabeceira e o seu passatempo predileto?

VM –Wicked”. O livro mesmo. Cantar é meu passatempo. Canto o dia todo. No estúdio que tenho em casa ou no chuveiro tomando banho ou no carro indo pra algum lugar. E namorar. Também tem sido meu passatempo predileto. Casei há três meses e, quando não tô trabalhando, estou abraçado no sofá, vendo filme de terror, comendo pipoca e bebendo um vinho.
 

IS – Os colegas de trabalho, nessa comédia musical…?

VM – Excelentes. O que a plateia assiste no palco é um reflexo dos bastidores. Somos muito parceiros fora de cena, bem-humorados, brincalhões e nos damos muito suporte. Viramos uma família. Aliás, a gente fica mais pelado na frente uns dos outros do que nas nossas casas para nossas famílias. Isso denota um grau de intimidade assustador.
 

IS – Em uma cena, na casa do Harold, o Ethan se entusiasma ao mais alto grau, dizendo “Ai, meu Deus, quanta parede!…”. Um dos fracos dele, como sabemos, é se jogar em paredes, acho isso muito show. Muito treino, a fim de fazer o que você faz em cena que impressiona tanto o público?

VM – Na infância e adolescência eu fazia muita luta. Fiz anos de judô e capoeira, o que me ensinou a cair no chão sem me machucar. O ballet me trouxe uma outra consciência corporal. Para interpretar o Ethan, eu precisei juntar toda essa experiência, me preparar fisicamente com uma personal trainer na academia e conversei com dubles na TV Globo, pra descobrir algumas técnicas.
 

IS – Mas, quanto às “paredes” da vida real, hoje, no Brasil moderno?

VM – As paredes do mundo moderno são infinitamente mais complicadas… Damos com a cara na parede várias vezes, entramos em caminhos que achamos que é o seguro e pimba!, lá está a parede no final desse caminho numa via sem saída. Precisamos voltar e começar tudo do zero. Mas são essas experiências que nos definem como homens, formam nosso caráter e nos fazem lutar por paredes menos rígidas. O lance é não encostar nelas e cochilar.
 

IS – Victor Maia por Victor Maia?

VM – Além do que já falei na introdução da entrevista, sou louco pela minha família e já desejo ampliá-la. Pavio curto quando testam a minha paciência e me faltam com o respeito, principalmente dentro do meio profissional. Ético até o último segundo. Gosto de fazer todo mundo rir o tempo todo e preciso de alguém que me peça para parar, senão sou capaz de não desligar nunca mais. Rezo diariamente para que o dia tenha 36 horas para eu conseguir dar conta de realizar todos os meus sonhos.
 

IS – Já que é de praxe da gente ao final das entrevistas, mande a sua mensagem super do Bem ao público admirador do seu trabalho.

VM – Todo esforço diário que eu faço é para executar um bom trabalho e fazer o coração das pessoas que me acompanham bater de felicidade. Eu não vivo sem o palco e sem o espectador. Enquanto vocês que me admiram estiverem ali para ver o recado que eu tenho para dar, independente do que eu esteja vivendo, estarei lá para me renovar e curar minhas dores. O palco é o melhor prontuário; o público, o melhor remédio. Obrigado a todos que torcem por mim. Eu estou aqui por vocês e para vocês. Evoé!

 

Fotos: Bianca Oliveira, Gustavo Bakr e Marco Rodrigues

 

Izan Sant

Izan Sant

Um autor super do Bem.

Entrevista

VÊ, GALERA – Clica

msg do mês

Glória Valcácer - Msg do Mês de outrubro - 2018

VOCÊ AQUI

Camila Duarte - Foto de Bem de outubro - 2018

presente de artista

Aniversariantes

  • Adriana Calcanhotto (cantora)
  • Adrielly Henry (atriz – Recife/PE)
  • Alcina Nascimento (educadora – Igarassu/PE)
  • Ângelo Santoro (coreóg., superv./vendas – Recife)
  • César Santos (chef de cozinha – Olinda)
  • Cláudia Abreu (atriz)
  • Cléo Pires (atriz)
  • Cynthia Nunes (estudante – Recife)
  • Danilo Rojas (bailarino – Recife)
  • Dayse Figueiredo (empresária, Lulu Bijoux – RJ)
  • Eletana Targino (coord. da LFG – Alta Floresta/MT)
  • Fabinho Seven (prop. Infohouse – Recife)
  • Fagner (cantor)
  • Fellipe Maia (Cofundador Berlim Digital – Recife)
  • Fernanda Montenegro (atriz)
  • Fiuk (ator e cantor)
  • Flávio Leimig (modelo e ator – Recife)
  • Gabriela Castello Buarque (universitária – Recife)
  • Gil Ayres (universitário, UFPE – Recife)
  • Glória Menezes (atriz)
  • Ilka Nóbrega (bibliotecária – Igarassu)
  • Izabella Nóbrega (bibliotecária – Igarassu)
  • Josy Ventura (administradora, atriz – Recife)
  • Kayky Brito (ator)
  • Manuela Sena (administradora – Recife)
  • Marcella Muniz (atriz)
  • Marcello Picchi (ator)
  • Marisa Orth (atriz)
  • Miguel Falabella (ator)
  • Miguel Teixeira (produtor cultural – Recife)
  • Najla Rocha Leite (gestora adjunta – Olinda)
  • Nasaré Azevedo (profa.: Filosofia – Bezerros/PE)
  • Pascoal Filizola (ator e arte-educador – Recife)
  • Pelé (ex-jogador / Rei do Futebol)
  • Pitty (cantora)
  • Priscila Camargo (atriz e contadora de histórias)
  • Rafael Cabral (jornalista e sanitarista – Olinda)
  • Rodrigo Faro (ator, cantor e apresentador/TV)
  • Sérgio Xavier (emp. Grupo inovsi – Recife)
  • Sinho Mello (cantor/educador físico – Recife)
  • Tássio Rennalli (advogado – Recife)
  • Thais Caseli (oper.: Direirto/concurseira – Recife)
  • Tofalini (cantor/compositor – Cambé/PR)
  • Vicktor Lira (booker/modelo/ator – Banguecoque)

Eventos

  • 19. Em São Paulo/SP: Peça teatral “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher, onde “mais do que amigos, os personagens são ‘irmãos’” – 21h – de 29/09 a 04/11 – com Herson Capri e Genézio de Barros – SESC Santana / Av. Luiz Dumont Villares, 579 – Santana
  • 20. Peça teatral “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher, onde “mais do que amigos, os personagens são ‘irmãos’” – 21h – de 29/09 a 04/11 – com Herson Capri e Genézio de Barros – SESC Santana / Av. Luiz Dumont Villares, 579 – Santana
  • 21. Peça teatral “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher, onde “mais do que amigos, os personagens são ‘irmãos’” – 18h – de 29/09 a 04/11 – com Herson Capri e Genézio de Barros – SESC Santana / Av. Luiz Dumont Villares, 579 – Santana
  • 26. Peça teatral “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher, onde “mais do que amigos, os personagens são ‘irmãos’” – 21h – de 29/09 a 04/11 – com Herson Capri e Genézio de Barros – SESC Santana / Av. Luiz Dumont Villares, 579 – Santana
  • 27. Em Recife/PE: Happy Holi – 14h – R$ 55 (pista) / R$ 85 (backstage) à venda site e app Bilheteria Digital – Área externa Centro de Convenções de Pernambuco / Complexo Salgadinho, S/N
  • 27. Em São Paulo/SP: Peça teatral “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher, onde “mais do que amigos, os personagens são ‘irmãos’” – 21h – de 29/09 a 04/11 – com Herson Capri e Genézio de Barros – SESC Santana / Av. Luiz Dumont Villares, 579 – Santana

Recomendo

Entrar

Arquivos