Recife: parques e jardins de antigamente

Por Wilton Carvalho

Parque 13 de Maio – Festa da Mocidade – 1939
Parque 13 de Maio.

Geralmente todo mês de dezembro, na década de 1930, o Parque 13 de Maio virava um verdadeiro parque de diversões. O nosso Recife parecia ficar mais feliz com todos aqueles brinquedos instalados e, claro, a roda-gigante era uma das principais atrações. O nome da festa não poderia ser mais sugestivo, a “Festa da Mocidade”, onde crianças e jovens eram o público mais esperado. (Texto: Wilton Carvalho, adaptado do texto do Museu da Cidade do Recife. Fonte/foto: Carlos Bezerra Cavalcanti)
 

Praça de Casa Forte – Década de 1920
Recife. Parque de Casa Forte.

Antes das reformas realizadas pelo paisagista Burle Marx, a Praça de Casa Forte possuía um monumento em homenagem a famosa batalha entre portugueses e holandeses, terminando com a derrota holandesa. O dia foi 17 de agosto no século VXII, daí o nome da avenida 17 de Agosto. Com a reforma da praça, esse monumento foi demolido. (Texto: WC, adaptado do texto da Fundação Joaquim Nabuco. Fonte/foto: livro Jardins do Recife, de Aline de Figuêiroa Silva)
 

Praça do Derby – Década de 1920
Parque da Praça do Derby.

A Praça do Derby, nesta década, começa a atrair muita gente, seja para descanso, passeio ou prática de esportes. Aliás, a década de 20 foi uma década rica quando se fala em atividades esportivas. Tínhamos o remo, como um dos principais esportes praticados aqui no Recife, principalmente no Rio Capibaribe, no centro do Recife. Também tínhamos o futebol, já bastante difundido já com os nossos principais times em pleno funcionamento. Outros esportes também surgiram, como tênis, basquete, vôlei, e na Praça do Derby foi construído um excelente espaço para a prática de tais esportes, onde o recifense poderia treinar e se divertir com aquele espaço tão cobiçado na época. (Texto: WC, adaptado da Revista da Cidade, década de 20. Fonte/foto: Antigos Cartões Postais do Recife)
 

Praça da República – Coreto – Década de 1910
Recife, Coreto da Praça da República.

O Recife possui lindas praças e todas com seus respectivos coretos. Era uma prática comum, construir praças e instalar coretos nelas, infelizmente hoje em dia já não temos mais esse hábito. A Praça da República tinha sua grande importância pela localização e tinha também seu belo coreto, como podemos ver na foto. Com um estilo bastante particular, o coreto fazia parte da paisagem da localidade e era bastante frequentado pela população em geral. Infelizmente, hoje já não temos mais aquele coreto, que foi demolido há quase 100 anos atrás. (Texto: WC, adaptado do texto da Fundação Joaquim Nabuco. Fonte/foto: Cartões Postais do Recife)

AQUI, DA DÉCADA DE 1920, UMA OUTRA ESPETACULAR PRAÇA

A Praça Chora Menino
Recife, Praça Chora Menino.

A Praça Chora Menino teve seu atual formato construído na década de 1920 e era um local recheado de mistério. No local, em 1831, ocorreu a Setembrizada caracterizada pela ação de soldados insubordinados, que arrombaram, saquearam e cometeram inúmeras atrocidades em casas particulares e estabelecimentos comerciais da localidade e muitas vítimas foram enterradas por ali mesmo; a partir de então, o lugar começou a ser chamado de mal-assombrado. Espalhou-se a seguinte estória: durante a noite, quem passasse por aquele sítio, ouvia um choro de menino. Daí, vem o nome de Praça Chora Menino. (Texto: Fundação Joaquim Nabuco. Fonte/foto: livro Jardins do Recife, de Aline de Figuêiroa Silva)
 

. Wilton é administrador do Recife de Antigamente.               Vamos curtir nosso Face? Se liga AQUI.

Izan Sant

Izan Sant

Um autor super do Bem.

Expresse-se...

Entrevista

VÊ, GALERA – Clica

msg do mês

Glória Valcácer - Msg do Mês de outrubro - 2018

VOCÊ AQUI

Camila Duarte - Foto de Bem de outubro - 2018

presente de artista

Aniversariantes

  • Adriana Calcanhotto (cantora)
  • Adrielly Henry (atriz – Recife/PE)
  • Alcina Nascimento (educadora – Igarassu/PE)
  • Ângelo Santoro (coreóg., superv./vendas – Recife)
  • César Santos (chef de cozinha – Olinda)
  • Cláudia Abreu (atriz)
  • Cléo Pires (atriz)
  • Cynthia Nunes (estudante – Recife)
  • Danilo Rojas (bailarino – Recife)
  • Dayse Figueiredo (empresária, Lulu Bijoux – RJ)
  • Eletana Targino (coord. da LFG – Alta Floresta/MT)
  • Fabinho Seven (prop. Infohouse – Recife)
  • Fagner (cantor)
  • Fellipe Maia (Cofundador Berlim Digital – Recife)
  • Fernanda Montenegro (atriz)
  • Fiuk (ator e cantor)
  • Flávio Leimig (modelo e ator – Recife)
  • Gabriela Castello Buarque (universitária – Recife)
  • Gil Ayres (universitário, UFPE – Recife)
  • Glória Menezes (atriz)
  • Ilka Nóbrega (bibliotecária – Igarassu)
  • Izabella Nóbrega (bibliotecária – Igarassu)
  • Josy Ventura (administradora, atriz – Recife)
  • Kayky Brito (ator)
  • Manuela Sena (administradora – Recife)
  • Marcella Muniz (atriz)
  • Marcello Picchi (ator)
  • Marisa Orth (atriz)
  • Miguel Falabella (ator)
  • Miguel Teixeira (produtor cultural – Recife)
  • Najla Rocha Leite (gestora adjunta – Olinda)
  • Nasaré Azevedo (profa.: Filosofia – Bezerros/PE)
  • Pascoal Filizola (ator e arte-educador – Recife)
  • Pelé (ex-jogador / Rei do Futebol)
  • Pitty (cantora)
  • Priscila Camargo (atriz e contadora de histórias)
  • Rafael Cabral (jornalista e sanitarista – Olinda)
  • Rodrigo Faro (ator, cantor e apresentador/TV)
  • Sérgio Xavier (emp. Grupo inovsi – Recife)
  • Sinho Mello (cantor/educador físico – Recife)
  • Tássio Rennalli (advogado – Recife)
  • Thais Caseli (oper.: Direirto/concurseira – Recife)
  • Tofalini (cantor/compositor – Cambé/PR)
  • Vicktor Lira (booker/modelo/ator – Banguecoque)

Eventos

  • 19. Em São Paulo/SP: Peça teatral “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher, onde “mais do que amigos, os personagens são ‘irmãos’” – 21h – de 29/09 a 04/11 – com Herson Capri e Genézio de Barros – SESC Santana / Av. Luiz Dumont Villares, 579 – Santana
  • 20. Peça teatral “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher, onde “mais do que amigos, os personagens são ‘irmãos’” – 21h – de 29/09 a 04/11 – com Herson Capri e Genézio de Barros – SESC Santana / Av. Luiz Dumont Villares, 579 – Santana
  • 21. Peça teatral “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher, onde “mais do que amigos, os personagens são ‘irmãos’” – 18h – de 29/09 a 04/11 – com Herson Capri e Genézio de Barros – SESC Santana / Av. Luiz Dumont Villares, 579 – Santana
  • 26. Peça teatral “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher, onde “mais do que amigos, os personagens são ‘irmãos’” – 21h – de 29/09 a 04/11 – com Herson Capri e Genézio de Barros – SESC Santana / Av. Luiz Dumont Villares, 579 – Santana
  • 27. Em Recife/PE: Happy Holi – 14h – R$ 55 (pista) / R$ 85 (backstage) à venda site e app Bilheteria Digital – Área externa Centro de Convenções de Pernambuco / Complexo Salgadinho, S/N
  • 27. Em São Paulo/SP: Peça teatral “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher, onde “mais do que amigos, os personagens são ‘irmãos’” – 21h – de 29/09 a 04/11 – com Herson Capri e Genézio de Barros – SESC Santana / Av. Luiz Dumont Villares, 579 – Santana

Recomendo

Entrar

Arquivos