Conto: Garota ferida!

Obras de arte e fotos: by Geneci (Dini) Martelli – Tapurah/MT
Artes Plásticas.

Era uma sexta-feira nublada em São Paulo, às 21 horas, quando a artista plástica Ísis Valeska, de dezenove anos, entrou no seu apartamento — ao lado do Parque do Ibirapuera — louca, sofrendo os horrores de um massacre. Um riacho incontrolável no rosto atraente, doída por dentro como se tivesse sido varada no peito por um punhal! Inclinada, a mão no ventre, seus gritos enchiam os interiores do apê:

— Ai, que dor, que dor!… Me acuda, meu Pai!…

Foi atirando objetos decorativos contra a parede, o soalho, os espelhos, como num desabafo. Rob, o irmão três anos mais jovem, veio do quarto, assustado e largando o tablet, na agonia da interrogação:

— Que é que você tem, Ísis?! — Tentava segurá-la. — Me diz, o que tá pegando, minha irmã?!

Transtornada, o tom de voz da garota se amplificou mais ainda:

— É uma dor, uma dor, Rob!… Dói muito, dói!… É uma dor maior que a vida, maior que o mundo, é uma dor!… — Gesticulava como uma doida precisando de camisa-de-força.

Rob tentava acalmá-la, sentá-la no sofá, mas ela guerreava indomavelmente contra ele. Jogou o teen sobre o tapete, rasgou-lhe a manga da camisa e lhe arranhou o rosto.

— Dói muito, dói!…

— Que dor, por que isso, fera?! — perguntou, com a mão no arranhão e já revoltado. Tentou novamente segurar os braços dela, abraçá-la.

— Me larga, garoto!!!

Quis arranhar o rosto dele outra vez, no entanto Rob se desvencilhou e lhe deu um tapa, fazendo-a cair aos pés de uma meia mesa onde ficava a escultura Deusa da Justiça – Thêmis, produzida por sua mestra em Artes Plásticas, Geneci Martelli (uma aquisição da aluna).

— Chega, Ísis!!!

Silêncio geral após o bramido e a “bolacha” de Rob, suado, a face riscada de vermelho, a camisa rasgada, o coração compadecido pelo sangue do seu sangue. Ísis abafou o choro. Rob ficou de joelhos junto a ela, que desabou no ombro dele. A sala, um Iraque!

— Desculpa, mana… Não curto violência, você sabe, pô… Só não vi outro jeito de te frear.

— Perdão, Robinho… Eu é que te peço, eu não queria te agredir…

Artes Plásticas.— Beleza, tá legal? — falou, repousando a mão nos cabelos corredios da Thêmis. — Tudo na paz agora. Mas me diz, tô boladão… Que rolo aconteceu?

— Ah, meu brother!… — desabafo dramático! — tudo seria tão melhor na vida se não existisse mais homem na face da Terra!…

— Não… — ficou bobo com o motivo. — Você tá assim… por causa de homem?!

— Ele… ele acabou comigo, Rob. O carinha me matou, sabe?… Aquele monstro, ele…

— Ele…? — disse Rob, querendo que ela continuasse, acalorando a desesperada com um aperto nas mãos.

— Ele não vale nada! Agora, é um inimigo pra mim, eu odeio aquele mané, quero ver ele comendo capim pela raiz! — Ergueu-se. Caminhou lentamente pela sala, depois virou-se para o irmão. — Ele me feriu, feriu minha alma. Acabou comigo. Tô me sentido a última das pessoas, um farrapo…

Impaciente, Rob se levantou querendo assassinar a dúvida:

— Dá um tempo nas metáforas! O que foi que o Léo te fez, ele te botou uma peruca de touro? — A impaciência deu lugar à angústia.

Ela estranhou:

— Quem tá falando do Léo aqui, maninho? Pirou total você?

— Opa, espera aí… — ele se surpreendeu. — Não é do Léo, seu namorado, que você tá se queixando?…

— Que Léo que nada! Tô falando do Sylvan Nyll, meu cabeleireiro, ele acabou com meus cabelos, olha aqui! — Sacudiu a cabeça, mostrando o “desastre”: eram castanhos, estavam negros; eram na chapinha, estavam com ondas!

O cabeleireiro havia aproveitado um cochilo da cliente, na cadeira, para mudar seu visual por conta própria. Blackout em Sampa, e a “vítima” havia deixado o local sem poder se ver no espelho. No caminho para casa, com a volta da energia elétrica, uma olhadinha no retrovisor interno do carro e o susto pavoroso: o fim do mundo! O resto, já se sabe. Ísis jurou nunca mais voltar ao Sylvan Big Salão!

Rob, que não tinha percebido a mudança no look da outra, depois da revelação caiu chapado na poltrona. Nesse instante, um carro de propaganda de xampu passou em frente ao prédio espalhando o antigo sucesso de Gal Costa, composto por Arnaldo Antunes e Jorge Ben Jor:

“Cabelo… cabeleira… cabeluda, descabelada…”

Isso obrigou Ísis a fechar os janelões, odiando… Recostou-se à parede, sofrendo e chorando como uma insana… e Rob, paralisado, pensava no “megamassacre” que seus ouvidos foram obrigados a suportar.

Problemas, problemas!… Eles viram gigantes ou anões, depende da gente. Do querer de cada um. (Babaquice, isso?)
 

(Recriação do meu texto original A bela ferida, de 2007.)
 

Artes Plásticas.

 

Olha o contato de Geneci Martelli: 
dinitmartelli@hotmail.com               

 

 

Ainda não curtiu o Facebook da gente? 

CLICA!

Izan Sant

Izan Sant

Um autor super do Bem.

Expresse-se...

Entrar

presente de artista

Bem-kete

Tem cor preferida para maio? Se tem, é...?

Ver Resultados

Carregando ... Carregando ...

msg do mês

MSG DO MÊS - Thaisi Melo

Aniversariantes

  • Alcione Mazzeo (atriz)
  • Alexandre Mandarino (ator, diretor, produtor)
  • Alexsandro Mota (advogado – Itapissuma/PE)
  • Ana Paula Gaudêncio (modelo – São Paulo/SP)
  • Andrezza Azevedo (promot./Vendas – Recife/PE)
  • Ângela Maria (cantora)
  • Bernardo S. Bezerra (fot. – Feira de Santana/BA)
  • Betty Faria (atriz)
  • Caíque Ferraz (ator – Recife)
  • Chitãozinho (cantor)
  • Clóvis Bézer (dir. presidente Bézer Produções)
  • Cristianne Fridman (novelista)
  • Ewerton Souza (func. CSI, Abreu e Lima)
  • Fabyano Nascimento (coord. pedagógico – Recife)
  • Fillipe Ramos (ator, doublê, diretor – Recife)
  • Flávio Andrade (ator e humorista – Olinda/PE)
  • Giovanna Antonelli (atriz)
  • Giselda Ouverney (func. pública – Nova Friburgo)
  • Gretchen (cantora)
  • Helena Ranaldi (atriz)
  • Henrique Tavares (ator, roteirista, diretor teatral)
  • Ingrid Zavarezzi (autora, roteirista e publicitária)
  • Ivete Sangalo (cantora e atriz)
  • Jânio José Siqueira (assist. social – Aiuruoca/SP)
  • Jhonhson Willame (técn./fotografia – Abreu e Lima)
  • José Luiz Datena (apresentador de TV)
  • José Tenório (prefeito – Itapissuma)
  • Junior Barros (profissional de Marketing – Recife)
  • Lucas Vinícius Araújo (universitário, Olinda)
  • Lucélia Santos (atriz, diretora teatral e produtora)
  • Luiza Tomé (atriz)
  • Luna Teixeira (repórter e fotógrafa – Portugal)
  • Manuella Cabral (tec. em Farmácia – Itapissuma)
  • Márcio Santana (motorista – Poços de Caldas/MG)
  • Marcos Barreto (ator – Salvador/BA)
  • Maria Fernanda Cândido (atriz)
  • Mayara Magri (atriz)
  • Neide Silva (cristã e empreendedora – Olinda)
  • Nemu Campos (ator)
  • Oscar Alejandro (ator, cantor, modelo e dançarino)
  • Robert Pattinson (ator, o Edward de “Crepúsculo”)
  • Rodrigo de Luna (jornalista e repórter – Recife)
  • Rosario Boyer (cineasta e roteirista)

Eventos

  • 03. Chico Buarque, no show “Caravanas” – 21h30 – Balcão: R$ 250, R$ 125 (meia); Plateia: R$ 490, R$ 245 (meia) – Ingressos: bilheteria do local e site Bilheteria Virtual – Teatro Guararapes, Centro de Convenções / Avenida Professor Andrade Bezerra, s/n, Salgadinho, Olinda
  • 12. Em RECIFE: Fagner – 21h – Lounge: R$ 200, R$ 120 (social), R$ 100 (meia); Mesa Premium: R$ 700; Mesa Sênior: R$ 600 – Ingressos: site Bilheteria Digital – Cabanga Iate Clube / Avenida Engenheiro José Estelita, s/n, Cabanga – Telefone: 3035-0003
  • 18. No RIO DE JANEIRO: “Champagne e Confusão”, comédia com SYLVIA BANDEIRA e ótimo elenco – De sexta a domingo – 19:30 – até dia 10 de junho, Teatro Maison de France / Avenida Presidente Antônio Carlos, 58
  • 18. Em RECIFE: Pedro Mariano, “Piano e Voz” – 21h – Balcão Nobre: R$ 60, R$ 30 (meia); Plateia Alta: R$ 100, R$ 50 (meia); Plateia Baixa: R$ 140, R$ 70 (meia) – Ingressos: bilheteria do teatro e site www.uhuu.com – Teatro RioMar / Avenida República do Líbano, 251, Pina – Informações: www.teatroriomarrecife.com.br
  • 25. Zé Ramalho – 21h – Balcão: R$ 154, R$ 77 (meia); Plateia: R$ 194, R$ 97 (meia); Plateia especial: R$ 234, R$ 117 (meia) – Ingressos: site Eventim – Teatro Guararapes

FOTO DE BEM

Edmar Graciliano - A Foto de Bem de fevereiro 2017 - Esta

Facebook

Entrevista

Arquivos

VÊ, GALERA – Clica