Livros

Os “ingredientes” de um bom livro

Através de um fragmento de meu romance O beijo da lua boreal: A garota vampiro e o escritor
 

O beijo da lua boreal

 

No supertransado bar para jovens, eles haviam reservado a melhor mesa. Tobey pediu a melhor carne da casa e um chope — sinal verde para ele, Susan assumiria o volante.

Tomado o primeiro gole, ao som de uma música eletrônica, Walker perguntou, com receio:

— Está gostando do livro?

— Não. — Fez uma cara entediada, para aflição do autor. Sorrindo, malandra: — Amei!… Terminei na madrugada!

Relaxando, ele suspirou; ela concluiu:

— Agora entendo por que ele virou um best-seller: apesar de ser uma história triste, você soube usar com genialidade a matéria-prima dos grandes romances que marcaram época: a emoção. Você captou que a ira, a dor, o amor, a culpa, a perda e a solidão mexem com as emoções dos leitores e os seduzem. Parabéns, meu grande romancista!

— Oh, meu amor… a sua avaliação é tudo para mim! Aquele exemplar é seu. É um dos muitos presentes que vou lhe dar por você ter feito renascer em mim a esperança, a felicidade… Obrigado! — Beijou-lhe a mão. Indo à boca, prolongaram-se.  ()


Veja agora uma das muitas frases máximas de Augusto Cury sobre emoção:

Continue lendo

Festa e livros

Música, diversão e um papo legal sobre a importância dos books — em Banff, no Canadá. 
(Outro capítulo extraído de uma obra minha, para você!)
 

A festa principiou às 9 da manhã. Todos se enfiaram nas mais elegantes vestes de inverno, prevaleciam as cores preta, marrom, cinza e azul. Músicas internacionais das décadas de 70 e 80 brotavam do home theater. “Quero essas músicas, pois recordar é viver!”, falara Irene. Naquele momento, a faixa tocada do CD, embalando os corações, era Skyline pigeon, de Elton John.Livros.

Taças de coquetel nas mãos, pratos fartos às mesas, lareira acesa, clima gostoso. Flashes de fotógrafos espocavam, Leni Carmem e Irene queriam montar um grande painel com fotos variadas do evento — a despedida dos hóspedes brasileiros de sua pousada. Haveria um show-surpresa por volta do meio-dia, ansiosamente esperado.

Vindos do andar de cima, pisando o carpete estreante e vermelho do lobby, Daniela e Luiz Cláudio juntaram-se a Jebson, Laura Carvalho e Joaquim. As irmãs Ana Rosa e Ana Maria Arruda conversavam com Josilda, Antônia e Iralvânia. Mariana, chegando de seu aposento, usando um casaco água-marinha comprido, com pequenas gravuras abstratas em preto, dando-lhe uma maior silhueta curvilínea, juntou-se às outras atraindo olhares. Ali por perto, Geneci, Diana e Eurides optaram por um canto próximo à vidraça da janela, curtiam ver a neve cair. Lia e Luiza travaram amizade com uma experiente psicóloga e pedagoga de terras pernambucanas, de Olinda: Eliete Araújo, recente hóspede, cheia de formosura. Morena elétrica, mãe de inteligentíssimos garotos, João Victor e Lucas Vinícius, que ficaram no Brasil, Eliete discutia com as novas amigas sobre Paul Mauriat — venerava suas composições ao piano! Esmerada num sobretudo preto, com detalhes que pareciam minúsculos diamantes azuis, ao saber do show transbordou de animação. Quando as proprietárias da pousada foram passando por elas, a psicóloga, afagando os cabelos corredios e castanhos escuros, exclamou com sua voz empolgada, musical:

— Gente… não acredito! Vai ter um número de dança para nós?

— Antes do almoço — certificou Irene, orgulhosa de seu novo corte de cabelo, realizado por Jebson Moraes: um curto versátil, com as mechas de frente abaixo do queixo.

— Que tipo de número é? — perguntou Luiza.

— Contem, senão morreremos de curiosidade! — brincou Lia.

As sócias riram. Leni Carmem começou a responder, sacana:

— Se dissermos qual é a apresentação, acaba a surpresa; se vocês mor…

— Ah, tá! — interveio Eliete, bem-humorada, entendendo a gracinha. — E se nós morrermos, vocês ficarão tristes, aí não haverá apresentação, não é isso?

Sem graça, dando tchauzinho, as anfitriãs foram recepcionar as gêmeas Ilka e Izabella Nóbrega, que chegavam. Lia, Luiza e Eliete trocaram olhares divertidos; depois, toques de mãos, cúmplices.

Ilka e Izabella, jeitosas, de pele alva, olhos verdes e cabelos castanhos escuros, já bebericavam coquetel a um canto. Izabella, no segundo gole, encarou uma indagação cultural de Leni:

— Hoje, Iza, com o advento dos livros virtuais, qual a importância ainda, em sua opinião como educadora, de uma biblioteca pública?

Continue lendo

Surpresas: brasileiros na canadense cidade de Banff

DICAS SOBRE CABELOS e COMO CUIDAR DOS SEUS ÓCULOS - com ANTÔNIA GUEDES e JEBSON MORAES 
(Especialmente pra você, um capítulo instrutivo de um de meus romances)


Quase às 22: 30, a pousada recebia o pernambucano Jebson Moraes, criador e fundador do Kbeça’s Hair Designers, salão de beleza conceituadíssimo do Janga, na Cidade doOrdem e progresso em nós também. Paulista.

— Você mora no bairro onde vivem nossos amigos Laura Carvalho e Joaquim Zattara, que estão aqui?

— Moro, somos amigos, Sra. Cavalcanti! — respondeu Jebson. — Eles me disseram que viriam.

— Jebson, querido, nos fale sobre você! Como você está? — perguntou Leni.

— Estou melhor do que mereço! Tanto que vim administrar um curso aqui, em Banff.

O rapaz alto, forte, risonho e carismático de trinta e poucos anos era hair designer, técnico em estrutura capilar, além de palestrante e ministrador de cursos nas áreas de mecha, designer de cores e prática de vendas.

— Com quanta coisa você mexe!… — admirou-se Irene.

— Bom para nós! — maquinava Leni. — Jebson, eu queria uma dica para quem pinta os cabelos em casa.

— Olha, se a mulher decide pintar os cabelos em casa, ela não deve deixar de fazer a prova do toque — respondia ele. — Vai que ela tem alergia ao produto, acaba comprometendo os cabelos e a saúde… Mais uma coisa: tendo cabelos compridos, providencie duas caixas de tintura. Não se deve arriscar fazer com uma só, e se a tinta acabar bem no meio do ato da tintura?

— Adorei as dicas, são simples, e olhe… eu não fazia isso — confessou Irene.

Ele, com cara de vítima, não pôde deixar de brincar:

— Estão vendo? Eu nem cobrei por isso; já vocês, insistem em me cobrar as diárias sem parcelar.

Elas riram; na alegria da amizade, abraçaram-no. 

Descendo a escada toda faceira, Antônia o reconheceu:

— Jebson Moraes, o cabeleireiro dos astros e das estrelas!

— Antônia Guedes, você por aqui? Que coincidência!… Tudo bem?

— Tudo! E você, rapaz? Ainda anda fazendo maravilhas nos cabelos brasileiros?

— Partindo para os canadenses, vim a trabalho! Mas foi legal revê-la, quero lhe fazer uma pergunta.

— Só não me faça pergunta difícil, porque eu não vou saber responder.

— Vai, essa é fácil. — Ajeitou a boina xadrez. — Você ainda lida com óculos?

Ao ouvir o sim, ele pediu ajuda à competentíssima técnica em Óptica: queria saber quais os cuidados a tomar na hora de comprar óculos de sol — ia comprá-los quando retornasse ao Brasil. Antônia deu-lhe as orientações:

Continue lendo

Feliz aniversário, Almir Rouche!


E a gente comemora o aniversário de Almir, neste dia 4, Almir Rouche. 
com um capítulo do romance O enigma Rouche, sobre o cantor!
 

“APÓS 'ALMIR',
A DETERMINAÇÃO!

 

Caiu a noite.

A ansiedade devorava Gigi por dentro: como ia demorar a noite seguinte! Como parecia longínquo o retorno de Leone!

— Vinte horas — constatou pelo relógio da parede.

Jantou, leu um capítulo do romance Clarissa, de Érico Veríssimo, depois atacou a geladeira: comeu dois potes de mousse de cajá. Mas isso não lhe diminuiu a ansiedade. Assistiu à metade de um filme de ação com uma inquietude voraz. Consultou novamente o relógio: vinte e três horas. Com calor, tomou uma ducha, secou os cabelos, vestiu uma roupa clara, visitou suas páginas virtuais, nenhuma novidade. No e-mail, também não. Como fazia toda semana, navegou pelo site de Almir Rouche, contemplou fotos, viu sua agenda e releu a biografia. Passou, a seguir, à introdução de uma matéria que trazia um pouco da intensa história do cantor:

Almir Rouche nasceu em uma casa pobre da Vila Rubina, Igarassu (PE), teve o avô como referência de pai, morou parte da infância em São Paulo, onde ganhou, por duas vezes, o 1º. lugar em festivais de música, e, após, regressou às terras igarassuenses em seguida. Cantou em bares, na banda Cantor Almir Rouche.Status, em outra banda, a Diplomata, apresentando-se, com esta, nos bailes, sua grande escola. Só mais adiante, dedicou-se à técnica vocal, à leitura de notas musicais, o que lhe valeu a atribuição da carteira da Ordem dos Músicos.

Sintetizando, a vida deste cantor tão querido pelo país foi um filme em preto e branco que ganhou cores de vitória.

Gigi foi à entrevista, direto à pergunta da qual mais gostava:

Você pode nos contar um fato curioso de sua vida, Almir?

Continue lendo

O enigma Rouche – 4 anos

O enigma Rouche. Orelha.


Quatro anos de lançamento desse romance 
que me fez muito feliz por tê-lo criado

 

São quatro anos mesmo que o lançamos, EU e ALMIR ROUCHE, na Livraria Jaqueira (Recife), exatamente no dia 9 de fevereiro, Dia do Frevo, da dança quente e sedutora até pra quem não pertence a Pernambuco.

A obra é um paradidático infanto-juvenil, seu conteúdo envereda por várias disciplinas escolares através dos personagens Gigi, Leone, Bel, o próprio Almir Rouche e outros seres fictícios. Mas não ficamos só na ficção, a realidade se mistura a ela de um modo divertido, mas também tendo inclusos o suspense e o mistério.

A época é a atual; a cidade, Igarassu, PE. No entanto, há acontecimentos nas conterrâneas Olinda, Recife, Ilha de Itamaracá e Itapissuma.

O quantitativo de disciplinas encontradas no enredo é satisfatório:

Língua Portuguesa,

Matemática,

Geografia,

Sociologia,

Filosofia,

Cidadania,

História,

Biologia,

Inglês,

Artes…
 

Há, ainda, durante o cativante desenrolar da trama, homenagens a amigos e a caras personalidades nossas,
entre elas estão:
 

Alcione Mazzeo, Alexandre Contini, Aline Barros, Andrucha Waddington, Ariano Suassuna,
Clarice Lispector, Claudio Simões, Danielle Monteiro, Denise Vieira Doro, Edione Menezes, 
Fafá de Belém, Geneci Martelli, Hugo Esteves, Ingrid Zavarezzi, 
Luiz Gonzaga, 
Malu Vita, Marcio Sam, 
Marron Brasileiro, Miguel Rômulo,
Sylvia Bandeira e mais alguns.

Continue lendo

Uma carga de sucesso


Assim começou a trajetória de SYLVIA BANDEIRA como escritora.
Sylvia Bandeira e seu livro.
Aqui, com sua filha MELINA, no lançamento de seu livro Mamãe costura e esta noite vou te ver, Sylvia experimentou o gosto do sucesso no mundo das Letras.

Melina e sua mãe Sylvia Bandeira.
ALCIONE MAZZEO, atriz amabilíssima de nossa TV, também prestigiou a amiga de profissão na Noite de Autógrafos. Gentis e deslumbrantes mulheres dos palcos reunidas.
Alcione Mazzeo e Sylvia Bandeira.
Entre tantos outros amigos e fãs presentes, a adorável LAVÍNIA VLASAK não podia faltar no evento da sobrinha-bisneta do escritor Manuel Bandeira. Elas trabalharam juntas em Vidas opostas, de Marcílio Moraes.
Com Lavínia Vlasak.

Continue lendo

Mamãe costura e esta noite vou te ver

Sylvia Bandeira
Este é o curioso título do livro de SYLVIA BANDEIRA, grande atriz de teatro, cinema e televisão, que canta divinamente e, agora, estreia no mundo da literatura.

Sobrinha-bisneta de um escritor famoso, ela lança, aos 26 de setembro, às 19 horas, na Travessa de Ipanema – RJ, esta sua primeira obra repleta de belíssimas fotos, recordações e intensidade. Além de histórias de vida da estrela, que abriu seu coração ao Papo de Bem, contando-me coisas deliciosas sobre sua nova vida, a literária, e a de atriz, o que não podia faltar. Resultado: uma ENTREVISTA ESPECIAL pra você… 
 

IZAN SANT – Você faz parte do time das atrizes e cantoras que escrevem. Como surgiu, porém, a Sylvia Bandeira escritora? 

SYLVIA BANDEIRA Sou uma atriz que canta e agora resolveu escrever. Na realidade, sempre foi um sonho escrever um livro. Já tenho três filhos, plantei uma árvore e estava faltando o livro.
 

IS – Memórias, conquistas, reconhecimento profissional… temas gostosos, esses do seu livro. Por que optou por falar sobre eles? 

SB Queria contar minha história, a vida itinerante como filha de diplomata, os filhos, casamentos e a escolha de atriz.
 

IS – Em quê, exatamente, a literatura a encanta? 

SB Sou fascinada desde criança, sempre li muito e a palavra me fascina. Fiz parte de um curso de literatura e fui incentivada pelo autor premiado Luiz Ruffato. Não me fiz de rogada…
 

IS – Há uma maior simpatia sua por algum conteúdo, em especial, do seu livro? 

SB Dou vozes às diferentes etapas de minha vida, aproveitando escritos antigos, lembranças, com o olhar de hoje. Gosto da menina travessa que, ao poucos, tenta entender e desvendar o mundo ao seu redor.
 

IS – Como você vê o leitor brasileiro da atualidade?

Continue lendo

Radical, mas exímio escritor

Eromar Bomfim
O seu romance, lançado em julho na 11ª. Feira Literária Internacional de Paraty, no Rio de Janeiro, teve leitura de texto dos atores José de Abreu e Domingos Montagner. Traz personagens indignados pela própria condição de fraqueza da humanidade, deles próprios, um parricídio, um assassinato… e a resolução desta fraqueza através de ações violentas.

Muita tensão, situações extremas, temática radical?

É o que você encontrará no interessante Coisas do Diabo Contra, de EROMAR BOMFIM. Trata-se de uma obra contada em 1ª. pessoa, onde um forte pensamento (de um megaempresário que perdera a esposa) intriga o leitor: Só o crime justifica a existência. Saiba tudo a respeito adquirindo seu livro, no entanto, antes, acompanhe as sábias palavras de Bomfim nesta ENTREVISTA EXCLUSIVA ao Papo de Bem:     

    

IZAN SANT – De onde veio a inspiração para escrever este romance com título e temática tão densos?

 
EROMAR BOMFIMVeio da curiosidade sobre as razões que levam à eterna matança entre os homens. 

IS – A humanidade é, realmente, fraca? Se sim, como ser forte nos dias violentos de hoje?

Continue lendo

Entrar

presente de artista

Bem-kete

Agora em janeiro, você vai praticar qual dessas boas ações?

Ver Resultados

Carregando ... Carregando ...

msg do mês

Ana Carla - MSG DO MÊS

Aniversariantes

  • Ary Fontoura (ator)
  • Cássia Kiss (atriz)
  • Cris Almeida (produtora cultural – Paulista/PE)
  • Cristiano Andrade (diretor executivo – Recife)
  • Danilo Tácito Rufino (ator – Niterói/ RJ)
  • Djavan (músico e cantor)
  • Emilio Orciollo Netto (ator)
  • Everton Tonetto (ator – Recife)
  • Filipe Pires (gerente Prime Bar/Comedoria – Recife)
  • Geraldo Azevedo (músico e cantor)
  • Gessyca Barbosa (profa./Educ. Física – Olinda/PE)
  • Grace Lira (bailarina – Jaboatão dos Guararapes)
  • Guilherme Fontes (ator/diretor de cinema)
  • Heitor Souto (modelo – Recife)
  • Isidro Manuel Marques (Taekwondo – Setúbal/POR)
  • Izan Sant (escritor, dramaturgo, roteirista, colunista)
  • Jaime Bomfim (diácono – Ilha de Itamaracá/PE)
  • Jô Soares (artista)
  • Karol Spinelli (atriz – Recife)
  • Lara Fabian (cantora, compositora e letrista)
  • Laryssa Moura (blogueira e Youtuber)
  • Luciano Camargo (cantor)
  • Maitê Proença (atriz)
  • Marcello Antony (ator)
  • Maria Luíza Nóbrega (universitária – Igarassu/PE)
  • Mateus Fagundes (repórter – SP)
  • Mateus Nachtergaele (ator)
  • Nando Reis (músico e cantor)
  • Nicete Bruno (atriz)
  • Pandycex Grimaldd GriNhuar (publicitário – RJ)
  • Patrícia Pillar (atriz)
  • Paulo Vilhena (ator)
  • Raoni Velozo (produtor executivo – Paulista)
  • Sandra Tavares (advogada – São Paulo)
  • Sandy (cantora)
  • Severina Dantas (advogada/pedagoga – Igarassu)
  • Tatiana Issa (atriz e produtora – Brasil/Nova Iorque)
  • Vítor de Oliveira (roteirista – São Paulo)
  • Willames De Morais Lima (segurança – Itapissuma)
  • Yeda Maria Cavalcanti (fonoaudióloga – Igarassu)

Eventos

  • 06. Marília Mendonça, Léo Santana e Aviões do Forró – 20h – R$ 50 (arena), R$ 100 (VIP), R$ 200 (lounge – open bar) Praia de Tamandaré, Litoral Sul de Pernambuco – Telefone: 3441-9660
  • 09. Caetano Veloso e seus filhos Moreno, Zeca e Tom – 21h – Plateia baixa: R$ 260, R$ 130 (meia); Plateia alta: R$ 200, R$ 100 (meia); Balcão nobre: R$ 140, R$ 70 (meia) – Vendas: bilheteria e site www.ingressorapido.com.br – Teatro RioMar Recife / Avenida República do Líbano, 251, Pina – Informações: www.teatroriomarrecife.com.br
  • 27. Alceu Valença, Preta Gil, Babado Novo, Silvana Salazar e Patusco: Arena: R$ 80, R$ 40 (meia), R$ 50 + um quilo de alimento (social); Front: R$ 140, R$ 70 (meia), R$ 80 + um quilo de alimento (social); Lounge Open Bar: R$ 170; Mesa para 4 pessoas: R$ 350; Camarote para 10 pessoas: R$ 2.500 – Vendas: Riachuelo, Litoraneus, Ingressos Prime, Ticket folia, Recife Ingressos, Bilheteria Digital e Central da Folia – Clube Internacional do Recife / Avenida Benfica, 505, Madalena

FOTO DE BEM

Marlon - FDB

Facebook

Entrevista

Arquivos

VÊ, GALERA – Clica