Pernambuco

Dança de recomeço


A cidade encanta e canta um retorno, uma dívida:
caras do passado e do presente dançam o recomeço,
reveem o folclore, uma história uma revida.

Igarassu, município de Pernambuco, aniversaria! Há mais de 10 anos, na novela das 21h, Duas Caras, de Aguinaldo Silva, pela Rede Globo, o personagem Renato (do então pequeno ator Gabriel Sequeira) pesquisou sobre o local após receber um convite de seu pai, Ferraço (Dalton Vigh), para uma viagem deste de busca às origens e recomeço. Sob o calor do dia e do bom povo igarassuense, as gravações tiveram início na Igreja Matriz dos Santos Cosme e Damião, de 1535. Juvenaldo Ferreira (legítimo nome de Ferraço) e o “filho” chegaram em um carro negro, o garoto extasiado com a beleza do centro urbano.

Igarassu. Gravação da novela "Duas Caras".
Chegada de Ferraço a Igarassu, 2008. (Foto: IS)

As gravações prosseguiram na Praça da Bandeira; a cena abaixo mostra Ferraço e o filho caminhando pela ladeira de pedras e chegando ao 1º. Cartório de Igarassu. Na realidade, a Prefeitura Municipal emprestou seu prédio para representar o cartório fictício. (Esclarecendo mais: Ferraço, depois de vigarices, falcatruas e penar pela perda do amor do filho, quis saber quem realmente era, ja que foi vendido pelo pai na infância e viu sua primeira vida se perder. Então ele resolveu voltar a Igarassu, a terra natal, onde reencontrou a mãe, que lhe contou que o marido morreu de cirrose epática após vender os filhos, um a um, para comprar comida.)

Gravação. Indo ao "Cartório" de Igarassu.Indo ao "cartório" igarassuense. (Foto: IS)

Duas Caras foi feliz na escolha de suas locações: Igarassu, a 40 km do Recife, possui uma beleza mágica em seu Centro Histórico, monumentos, praias e flora; é onde se pode visitar o passado como se estivesse nele. Neste lugar acolhedor, respira-se cultura tão facilmente quanto o ar. O nome tem origem indígena, ygara-açu, que significa “barco grande”, “navio”, “canoa grande”, “barco de alto bordo”, uma alusão aos barcos que visitavam o local. A cidade ainda foi cenário dos filmes Batalha dos Guararapes e Lisbela e o Prisioneiro.

O então pequeno Gabriel Sequeira memorizando o texto.Memorizando o texto. Praça da Bandeira. (Foto: IS)


Veja cenas da novela na cidade.
(YouTube, Canal: Maracambuco Maracatu Nação)


Na dança do vento, grãos de areias de praias igarassuenses encontram o verde brilho dos coqueirais; visitam igrejas, conventos, ladeiras, caem glamourosos sobre um ator que doa seu carisma à arte. E a enriquece, faz de horas banais luzes especiais. (Izan Sant)
 

Neste mesmo 27/09, em 1993, estreava Sonho Meu, 18h, única novela da Globo ambientada em Curitiba. A novela faz 25 anos! Olha a abertura (YouTube, Canal: Merian Blhum).


Assista ao encontro, mais de 20 anos depois,
entre Patrícia França
e Carolina Pavanelli, mãe
e filha na novela, no final desse outro post,
clicando AQUI
.

(O texto original "Dança de recomeço" foi reescrito a partir de um post homônimo meu, de 18 de maio de 2008, para um jornal virtual de Macaé/RJ. Tanto ele quanto meus dois textos poéticos, que estão acima, são exclusivos deste site e utilizáveis no jornal citado.)


Partilhe os posts nos botões Share e Tweet acima,

Continue lendo

Entrevista Exclusiva: atriz Josy Ventura


Uma paulista que fez do Recife sua casa, esta atriz respeitável confessa que a profissão veio por influência das telenovelas brasileiras: "Além de bem produzidas, muitas têm feito um trabalho social legítimo", o que não se pode deixar de reconhecer sobre elas.

Cinema. Hermano e Denise em "Recife Assombrado: o Filme".

Cena romântica com Daniel Rocha, o Hermano no longa-metragem Recife Assombrado: o Filme. Josy Ventura é Denise, a esposa grávida de 6 meses
(Foto: Diego Herculano)

 

Tendo contracenado com Daniel nesse longa-metragem, nos últimos meses Josy se dedica aos ensaios da peça teatral Geni, baseada na música Geni e o zepelim, de Chico Buarque de Holanda. Nela, transforma-se em uma figura totalmente diferente de si mesma. Confira ao longo desta surpreendente entrevista, na qual conheceremos seus autores e novelas favoritos, além de muito mais.

Cinema. "Recife Assombrado: o Filme".

Outro momento de Hermano e Denise
(Foto: Diego Herculano)

 

IZAN SANT – Ser atriz: sonho bastante cultivado?
JOSY VENTURAEu deixei de chamar de sonho quando encarei a profissão como realidade e, daí por diante, tudo fluiu melhor. Agora, cada passo dado são pequenos sonhos transformados em realizações. E, sim, sempre cultivei muito. O amor é como flor, precisa ser cultivado, regado e, assim, é meu amor pela arte, sempre me doando ao máximo.

Viagem. Teatro. São Paulo.

Teatro Renaut — São Paulo
 

IS – Em seu ponto de vista, quais são as principais dificuldades nesse campo profissional?
JVSão muitas dificuldades e muitas glórias, umas dão sentido às outras. Contudo, acredito que a principal dificuldade para todos é não poder exercer apenas esta profissão, sempre temos que nos dedicar a dois ou mais ofícios para nos manter financeiramente; até aí, normal: o trabalho sempre dignifica. Mas quando o ofício secundário interfere no teu projeto artístico, é desanimador. Hora de parar, respirar e não desistir. E este é o princípio de um grande artista: a resiliência.

Viagem. Cerro Santa Lúcia no Chile.

Monte Cerro Santa Lúcia, Santiago do Chile 
 

IS – Geni, produzida em Recife, que estreou em 14 de junho, retorna aos palcos neste mês. De que fala, propriamente, o espetáculo?
JVCom texto e direção de Emmanuel Matheus, “Geni”, em suma, foi baseado, como você lembrou, na música “Geni e o zepelim”. Conta a história de uma prostituta que vive em uma cidade chamada Paraíso. Certo dia, um zepelim gigante paira sobre a pequena cidade, ameaçando a vida de todos; dentre a podridão e os pecados de Paraíso, todos se salvam através da carne de Geni, mulher da marginália. Ela representa o povo e faz a minoria ter voz, deixando a hipocrisia evidente em vários momentos do espetáculo.

Teatro. Sra Pacatau.

A atriz, à esquerda, em sua impressionante caracterização
(Foto: Portela Produções)

 

IS – O que tem em comum com sua personagem?
JVO espetáculo navega por momentos densos de muita emoção, drama que choca, reflexão do tipo soco no estômago, mas ele também passa por momentos leves, que contagiam o público, meu núcleo é composto por este quadro. Interpreto a Sra. Pacatau, dona de uma personalidade forte e autoritária, sua melhor companhia é sua irmã gêmea. Elas ficam de olho na vida de todos em Paraíso; disfarçando seus próprios segredos, surpreendem o público com uma revelação ao final da peça. Não vejo semelhança nenhuma com a Sra. Pacatau (Risos gostosos). Mas estou me divertindo muito com ela.

Teatro. A Sra Pacatau.

A rígida e mexeriqueira Sra. Pacatau
(Portela Produções)

 

IS – Qual o processo usado para compor Pacatau?
JVSomos a Bernache Companhia de Teatro, composta por 15 artistas, todos estão no elenco de “Geni”. O processo foi baseado em técnicas de Bertholt Brecht, cada personagem bebe da sua fonte. Porém, como companhia, mantemos contato e estudos constantes com os principais sistemas, dramaturgos e técnicas que fundamentam o teatro mundial. Sendo assim, durante o processo aproveitei todos os instrumentos para conceber a personagem, predominando, claro, as técnicas de Brecht.

Teatro. Cena de Geni.

O elenco de Geni em cena
(Portela Produções)

 

IS – Quem não viu o que pode esperar da peça?
JVUma mensagem impactante e importante. O feedback geral recebido pós-estréia, ocorrida em junho deste ano, foi de emoção e reflexão. As interpretações comovem cada um de forma particular. Vale muito a pena assistir ao vivo uma história extraída de uma música tão genial.

Teatro. Instante cênico de Geni.

Um cômico instante do espetáculo teatral?
(Portela Produções)

 

IS – Do filme A Vida Em Uma Viagem, selecionado para o Cine PE 2016, fala um tanto de sua Ana.
JV – “A Vida Em Uma Viagem” é um curta-metragem lindo, escrito e dirigido de forma delicada e ímpar por Tauana Uchôa. Além do Cine PE, ele também foi selecionado para a Mostra Não Competitiva do Cine Teatro Maria Bonita, no Piauí, também em 2016. Foi uma grande satisfação estar neste projeto com Tauana, meu primeiro trabalho no cinema com texto escrito e dirigido por uma mulher. O filme retrata o tempo, como ele passa rápido e, através dele, encontramos pessoas e vivenciamos histórias. Minha Ana foi interpretada por mais três atrizes, porém em décadas diferentes. Eu a vivenciei nas décadas de 60, 70, 80 e 90. Na última, precisei me caracterizar como uma pessoa com mais idade. Foi feito com muito carinho por todos os envolvidos. A vida de Ana e da sua família foi contada no decorrer destas décadas, e todas as cenas se passavam numa estação e dentro de um trem, na Região Metropolitana do Recife.

Cinema. "A Vida Em Uma Viagem".

Ana jovem, exalando vida
 

IS – Há algo que a identifica com Ana?
JVO amor que ela carregava no coração pela sua família. A lembrança da sua mãe a emocionava e a transbordava de saudade.

"A Vida Em Uma Viagem". Personagens envelhecidos.

Ana envelhecida, no mesmo vagão de trem
 

IS – Um papel que não fez e adoraria fazer?
JVNossa! O céu é o limite, quero viver muitos papéis, ainda não fiz um terço do que gostaria. Da comédia romântica aos contextos mais sérios, tudo me interessa. Gostaria de interpretar uma dama de época, mas também me interesso por assuntos contemporâneos e do cotidiano. Meu objetivo principal é usar minha arte a favor da sociedade; atuar, pra mim, é prestar um serviço à mesma.

Cinema. Curta "A Vida Em Uma Viagem".

Equipe de A Vida Em Uma Viagem
 

IS – Como foi a experiência em relação ao Recife Assombrado: O Filme?
JVEsse foi meu primeiro longa, já é especial por este motivo. Mas trabalhar com pessoas que admiro e as que passei a admirar, durante o processo, foi mais que incrível. Outro fato é poder fazer cinema em nossa terra e com gente da nossa terra, isto realiza sonhos, é uma grande conquista. Dirigido por Adriano Portela e produzido pela Viu Cine, junto com uma grande equipe talentosa e competente, todos, neste momento, estão focados na pós-produção. O filme tem previsão para estrear nas telonas em 2019.

Sucesso. Dose Tripla à Josy Ventura.

No Galo da Madrugada, no palco, em Geni; na pele da grávida Denise
 

IS – Você tem novelistas preferidos?
JVCom orgulho, temos no Brasil grandes escritores e novelistas, mas alguns me marcaram contando histórias através de novelas e que admiro: Benedito Ruy Barbosa, Thelma Guedes e Duca Rachid, Walcyr Carrasco, Maria Adelaide Amaral, João Emanuel Carneiro e, não mais entre nós, a Ivani Ribeiro.

Cinema. Preparações.

Caracterizações em nome da personagem


IS – Melhor(es) novela(s)?
JVAssim como os autores, temos grandiosas novelas brasileiras de que podemos nos orgulhar, pois foram, de alguma forma, serviços prestados à sociedade. Há quem negue, mas nós, brasileiros, somos noveleiros, sim! E algumas novelas me marcaram e me incentivaram a querer fazer da dramaturgia minha profissão: “Mulheres de Areia”, “O Profeta”, “Chocolate com Pimenta”, “Joia Rara”, “Renascer”, “A Viagem”, “Avenida Brasil”, “A Próxima Vítima”, do mestre Sílvio de Abreu, entre outras.

Viagem. Valparaíso no Chile.

Valparaíso, cidade portuária na costa chilena
 

IS – Algo fundamental na sua existência?
JV Sintonia com Deus e minha família.

IS – O que mais lhe dá medo e o que mais a irrita?
JVMedo de ser injusta, e o que mais me irrita é o injusto, o desonesto e o mentiroso.

Equipe de "Recife Assombrado - o Filme".

Parte da equipe de Recife Assombrado: o Filme
(Portela Produções)

 

IS – Vamos a um breve bate-bola. Amor?
JVÀ arte.

IS – Família?
JVUma base fundamental.

Josy Ventura. Distintos momentos.

Ventura: descontração é o que interessa
 

IS – Qualidade e defeito?
JV Empatia com o próximo. Desapego.

IS – Hobby e mania?
JVSair pra tomar um café com as amigas. Mania: dormir ouvindo música.

Teatro. Uma de suas peças.

Atuando em uma de suas casas, o teatro
 

IS – Sonho de consumo e filme inesquecível?
JVComer batata frita sem engordar. Já o filme… Impossível eleger apenas um ou dois filmes inesquecíveis, mas seguem dois que me vieram à mente agora e, com certeza, estão na minha lista dos inesquecíveis. Estrangeiro: “A Vida É Bela”. Nacional: “O Filme da Minha Vida”.

IS – Josy Ventura por Josy Ventura?
JVAcredito e persisto até o último instante, mas sempre reconheço o momento de ajustar as velas.

Viagem. Em vinícola no Chile.

Vinícola Santa Rita, Chile
 

IS – Como sempre finalizamos, uma mensagem super do Bem aos admiradores do seu trabalho!
JVA vida pode ser maravilhosa, doe o seu melhor e acredite no amanhã.

 

Geni estará em cartaz dias 22/09, 19h, e
23/09, 18h - Teatro Apolo
à 
Rua do Apolo, 121, Recife.
 

Veja outra matéria com a entrevistada:
Ser atriz é ser disciplinada.
 

Demais fotos:

Continue lendo

Patrícia França: Homenagem à estrela


No mês de aniversário dela, que coincide com o mês de birthday do nosso site, vamos comemorar falando sobre esta atriz que é um diamante. Antes, obrigado ao Patrícia França Fã Clube por cultivar fotos que nos ajudaram a ilustrar e, assim, embelezar ainda mais esta 

ESPECIAL MATÉRIA SURPRESA!

Teatro. Patrícia França.

Patrícia onde ama de paixão, o teatro
(Foto: Reprodução/Patrícia França Fã Clube – Facebook)

 

Descoberta pela Rede Globo no início dos anos 90 como a nova Sônia Braga, pela semelhança com a primeira Gabriela da TV, esta recifense de olhos graúdos, sorriso magnético e alma clara representa, canta e dança espetacularmente.

Linda à la Sônia Braga.

Início de carreira, à la Sônia (Braga)
(Foto: Reprodução/Divulgação Patrícia França FC)

 

Tive a sorte de vê-la por duas vezes no musical Ou Tudo Ou Nada, há dois anos; tive o prazer de conversar com ela e fiquei encantado. A atenção, a simpatia, o parecer que já conhece você há um bom tempo, isto me deixou muito à vontade. Mas, enfim, sigamos relembrando um pouquinho do que ela tem realizou nos palcos e nas telas.

Teatro. Ou Tudo Ou Nada.

Em 2016, a Vicki, do famoso musical da Broadway, baseado no filme inglês que conquistou o mundo
(Foto: Reprodução/fan page Ou Tudo Ou Nada)

 

Patrícia pôs-se a atuar na infância em sua terra natal, Recife, em peças de teatro (entre estas, A Ver Estrelas); ganhou prêmios e mostrou seu talento também nos comerciais regionais. Em 1992 protagonizou a minissérie global Tereza Batista, da obra de Jorge Amado Tereza Batista Cansada de Guerra. Viveu a personagem-título dos 13 aos 27 anos, que, órfã, é vendida ainda criança, por sua cruel tia Felipa, ao Capitão Justo, homem poderoso, violento. Ele acolhia meninas a fim de abusar sexualmente delas. Esse papel revelou França para o mundo.

Televisão. Patrícia como Tereza Batista.

Tereza Batista em suas três fases
(Foto: Reprodução/Patrícia França FC)

 

Depois da minissérie, ela deu vida a outros personagens de sucesso em novelas da Globo: à nordestina Maria Santa, de Renascer (1993); à sofredora Cláudia, de Sonho Meu (1993/1994); à aspirante à cantora Lucilene, em O Fim do Mundo (1996), mininovela em 35 capítulos; à romântica Madalena Sobral, de Salsa e Merengue (1996).

Televisão. Patrícia em Salsa e Merengue.

A doce e simples Madalena, em Salsa e Merengue, de Miguel Falabella
(Foto: Reprodução/Patrícia França FC)

 

Em 1999, interpretou a enigmática Clarisse Ribeiro, na trama das 21 horas Suave Veneno, de Aguinaldo Silva, onde contracenou com a amiga Glória Pires. Já 2001 e 2002 foram os anos de estar na pele da cigana Blanca, de A Padroeira; em 2003 foi a vez da Dra. Sofia Menezes, em Chocolate com Pimenta.

Televisão. Blanca, uma mulher ardilosa.

Blanca de Sevilla — A Padroeira, de Walcyr Carrasco
(Foto: Reprodução/Patrícia França FC)

 

Ela participou ainda da minissérie Engraçadinha: Seus Amores e Seus Pecados; esteve em episódios do Você Decide; em A Farsa da Boa Preguiça, Caso Especial da obra de Ariano Suassuna; no episódio Correndo Atrás, da série Mulher, além do programa Renato Aragão Especial, como a Nanci.

Teatro. Patrícia França e amigas.

Patrícia e amigas: Glória Pires e Sylvia Massari
(Foto: Reprodução/Patrícia França FC)

 

Após atuações em outra emissora, retornou à TV Globo em 2014 na novela teen Malhação Sonhos, onde envolveu o público com a Delma, mãe de um adolescente que sonhava ser um rockstar.

Patrícia França. Ela tem o dom.

O dom de viver diversas vidas é maravilhoso!
(Foto: Reprodução/Patrícia França FC)

 

No cinema, até aqui, foram dez filmes, dos quais destacamos Tieta do Agreste (1996), onde viveu Imaculada e Tieta jovem, e Orfeu (1999), encarnando a Eurídice. Seguindo estes, vieram mais quatro; o mais recente deles, Flordelis — Basta uma Palavra para Mudar, no qual a Mãe de Beá era a sua personagem. No teatro, Quando Eu For Mãe, Quero Amar Desse Jeito, em 2016, foi um recente trabalho onde a adorável pernambucana se superou.
 

Como descrevê-la usando os elementos certos?

Arriscando, by Izan Sant:

Patrícia França sorri como uma tarde ensolarada; atua tal e qual uma deusa em cena; canta dominando a suavidade, às vezes a força; dança como uma Mestra numa apresentação plenavive com a lindeza de um dia com garoa.


Patrícia França. Setembro, seu mês de niver.

Happy birthday, amada Patrícia! São os votos do Izan Sant e do Papo de Bem!
(Foto: Reprodução/Patrícia França FC)

 

O reencontro da atriz com Carolina Pavanelli, a
Lalesca, filha da Patrícia em Sonho Meu,
VEJA.

Reencontro com Leonardo Vieira,
o José Inocêncio jovem de Renascer,
CONFIRA.

 

Curta o Patrícia França Fã Clube.

O site da Rede Globo é ESTE.


Uma máxima demais do George Sand:

Continue lendo

Almir Rouche no Ser Tão


Imperdível o show, nesse dia 30 de dezembro, com este artista pernambucano show de bola.

Internacionalmente conhecido, principalmente por sua presença sempre marcante no maior bloco carnavalesco (recifense) do mundo, o Galo da Madrugada, ALMIR ROUCHE (cujo livro "O enigma Rouche" saiu totalmente reformulado neste final de ano, em comemoração ao aniversário de carreira do cantor) vai esquentar Serra Talhada com muita música, alegria e energia do Bem. Não perca, friend, olha o recadinho aí, em banner da Divulgação…

Almir Rouche.

Um amante dos bailes, são palavras de Almir, que, junto com os Caboclinhos Carajós, foi reverenciado pelo Carnaval do Recife neste ano:

"Cantei em bares, na banda Status, em outra banda, a Diplomata, e me apresentei, com ela, nos bailes, minha grande escola. Só mais adiante, eu me dediquei à técnica vocal, à leitura de notas musicais, o que me valeu a atribuição da carteira da Ordem dos Músicos."

E ó

Continue lendo

Conto: “Tempo de amor”

(Recriado do meu conto original de 09/06/2007 -  Izan Sant)
 

— Carol! — gritou do terraço o pai quarentão, chamando-a. — Tá na hora do seu encontro, filha! Ele já deve estar te esperando no coqueiral do Forte Orange!
Praia de Itamaracá. Foto - IS.Sem resposta, seu Agenor deu-se ao trabalho de ir ao quarto rosa da mocinha. Enquanto se arrumava, Carol ouvia, da Rádio Recife FM, Deusa de Itamaracá, por Almir Rouche.

Entrando, o pai sorriu, feliz, ao vê-la metida em seu claro e alegre vestido de manhã de sol. Uma rosa branca nos cabelos encaracolados, os lábios em rosa acentuados pelo brilho, o sorriso angelical a colorir o rosto de criança num belo corpo de mulher, aos 15 anos. Ela abandonou o espelho, virando-se.

— Tô bonita, pai?…

— Um encanto, meu anjinho!…

Aproximou-se dela e a beijou no rosto. Emocionado, sussurrou:

— Vai com Deus, minha filha… Vai ao encontro da tua nova vida, vai… — e afastou-se, indo ao seu quarto, não queria que ela o visse chorar. Carol havia assistido demais a esse espetáculo havia 7 anos, quando no terrível momento do divórcio. Ela merecia trégua eternamente.

O antigo relógio-cuco da sala cantou 8 horas e, por um instante, Carol quase caiu em lágrimas, porém se conteve. Fitou a porta do quarto e leu, para seu consolo, a máxima de Amado Nervo, pregada num camurça em formato de coração:

“Sempre que houver um espaço em tua vida, enche-o de amor.”

Ela respirou fundo, munida de força, sorriu e se foi sem olhar para trás, linda…

Pela beira das paradisíacas praias da Ilha de Itamaracá, as delicadas mãos na saia do vestido, sob um sol magnânimo, aquela garota que, um dia, sonhara em ser tão brilhante atriz quanto a Sylvia Bandeira e a Alcione Mazzeo, corria cinematograficamente… um deslumbre!

O coração palpitava no peito, ansioso, a respiração ofegante quase a sufocava, mas a esperança lhe abria um sorriso amigo. “Estou aqui”, era como se esse sentimento “verde” se pronunciasse com suavidade.

Cansada de correr — uns minutos do percurso já haviam se passado —, Carol estacionou: finalmente chegara ao coqueiral! O coração, então, prestes a explodir de tamanha ânsia; o vento fazia os seus cabelos dançarem, frenéticos…

— Ai, meu Deus, cadê ele?… — perguntou-se ela, atirando olhares em todas as direções. Ali, só o Forte, barracas, turistas e lanchas que atravessavam o mar no sentido da ilhota Coroa do Avião.

Nada! Tempo de espera… Angústia… Ex-entusiasmo… Decepção?!

— Ôxe… — murmurou, com desânimo.

Eram já 11 horas quando Carol não quis mais ficar. Deu uma rabanada para um pardal que tinha pousado na grama à sua frente, esmagou, sem ver, uma esperança que ali apareceu, largou a rosa branca no chão e se pôs a andar de volta para casa. Triste. Bom, na verdade, até mais do que triste: infeliz.

— Ei, Ana Carolina, aqui! — uma voz de homem a chamou.

Inundada de vida, ela se voltou na direção daquela voz tanto esperada!

Continue lendo

Ser atriz é ser disciplinada


Josy Ventura. Foto By Mineia Otsuka.
Não é ter apenas disciplina.

Que o diga a atriz que possui as corretas características dessa profissional:

JOSY VENTURA, admirada por muitos no cenário recifense, isto por seu brilhantismo quando está em cena.

E ela é a razão desta matéria da nossa nova Série

PE/Brasil: Artistas com A Maiúsculo.

Também formada em Marketing, a jovem — que esteve a ensolarar o elenco do filme A Vida Em Uma Viagem, com roteiro e direção de Tauana Uchôa — tem, no palco ou diante das câmeras, uma postura inquestionável no sentido da perfeição.

Uma atriz total: canta, dança e interpreta. 

As características das quais falamos que Ventura contém?

Vamos a algumas delas com uma

GALERIA DE FOTOS
PESSOAIS E PROFISSIONAIS DA ARTISTA
.

 

Uma boa atriz é apta, para passar emoção, fantasia e informação ao público, e atenciosa: ao texto, às instruções do diretor.

Josy Ventura. Confeitaria Colombo - Rio de Janeiro.

 

Criativa.
Saber criar é essencial quando a personagem, no papel, não está crível.
Josy Ventura. Praiana, natural.

 

Compreensiva.
Com todos da equipe. Com um colega de trabalho que esteja atuando com dificuldade.
(Nesta imagem, vemos a atriz no centro.)
Josy Ventura. Em musical.
 

Paciente.
Porque a profissão lhe cobra mesmo isso.
Josy Ventura. Em viagem.
 

Humilde.
Pois ser arrogante, isto só na hora de viver uma personagem que seja assim.
Josy Ventura. Peça A Última Volta do Ponteiro.

 

Ainda apresentadora, a atriz atuou na peça teatral A Última Volta do Ponteiro, no filme Os Confundidos, do diretor Adriano Portela, baseado na obra homônima do escritor Osman Lins, além de estar presente em espetáculos musicais da Lalu Academia de Artes, do bairro nobre de Boa Viagem, Recife.
Josy Ventura. Em evento Fliporto.


Esta moça, assim como o tempo, não para, é a personificação do talento e da força.

Josy Ventura. Vaticano.
Autores
e diretores,
fiquem atentos a ela!

 

Fotos:
Aquivo Pessoal da Artista
e
Mineia Otsuka.

 

Para vê-la
como apresentadora,
clique
AQUI.

 

Quer vê-la atuando?


Vá a este

Continue lendo

Sobre os teens


De Izan Sant
Teens. Nanda Santana é um exemplo deles.

Totalmente desafiadores, elétricos,
eles amam uma rede social!
 

Encaram, arredios, o dia-a-dia;
menos o skate, o love, a alegria.
 

Escola nem sempre é diversão,
mas muitos até curtem legal.
 

Nerds, patricinhas, parças, manos,
chamem como quiserem.
 

Sem eles, o que o mundo seria?
Uma bola sem graça e vazia.
 

 

Hora do
humor light!

Pra gente rir um pouquinho:Teens. Love e ousadia do Bem.

Sabe o que um teen fanhoso, desligadão, falou pro outro quando saiu da sala de aula e não viu o amigo na carteira do lado?

Continue lendo

Ele em “O Shaolin do Sertão”


“O ‘Shaolin do Sertão’ é um filme de época que se passa em Quixadá, interior cearense, feito com atores nordestinos com sotaque e gírias regionais, mas que acaba tendo um diálogo universal, atingindo todos os públicos”. (Fillipe Ramos)

Nova obra fictícia que conta com a participação do ator-dublê, nosso convidado por mais uma vez na
 

ENTREVISTA ESPECIAL.
 

IZAN SANT – Pinoia Filmes, a responsável pela equipe de dublês de O Shaolin do Sertão. Como veio o convite?

FILLIPE RAMOS Conheci o diretor Halder Gomes durante a divulgação do filme “Cine Holliúdy”. Na ocasião ele me falou sobre o projeto que tinha de gravar um filme de luta e que seria interessante nossa participação. Dois anos após essa conversa, recebi a ligação de uma das produtoras do filme, e finalmente o convite foi oficializado.
Cinema. Fillipe Ramos em preparação.


IS – A sua empresa, sabemos, é competentíssima no que faz. A que atribui essa qualificação?

FRPiegas ou não, ao amor! Amor sobretudo ao cinema e às artes marciais. Todos os integrantes da equipe possuem mais de 10 anos de experiência em lutas, incluindo mestres de diferentes estilos e campeões com diversos títulos regionais e até nacionais. Buscamos sempre atingir o nosso potencial máximo e evoluir cada vez mais.
Cinema. Esteja convidado a assistir O Shaolin do Sertão.


IS – Houve alguma cena que deu mais trabalho de realizar com os dublês? Ou não?

FREm uma das cenas fui arremessado para fora de um ringue pelo personagem Tora Pleura, interpretando por Fábio Goulart. Na verdade, fazer a cena foi muito simples, difícil foi a preparação antes dela, pois, acredite se quiser, tive que perder 15 quilos para ficar mais leve e mais fácil de ser levantado durante um bom período de tempo antes de ser arremessado. Mesmo sendo tanto esforço para uma cena tão pequena, me sinto orgulhoso e feliz em ter conseguido atingir meu objetivo e atender à necessidade do filme da melhor forma possível. Agradeço muito ao meu instrutor de boxe, BlackMu, que me ajudou a tornar isso possível, através de muito treino e dieta.
Cinema. Preparados para a gravação.


IS – A trama, dentro do seu contexto crítico artístico, pode ser chamada de…? Por quê?

FRNão é apenas mais um filme de comédia qualquer, é algo muito peculiar, um filme com identidade própria, totalmente diferente de tudo aquilo que já foi visto no cinema. E, além disso tudo, ainda pode ser um pontapé inicial para o cinema nacional de ação, o que me deixa muito feliz, mais feliz ainda em saber que participei disso tudo.
 

IS – Quais as maiores responsabilidades de ser ator e de ser dublê?

FRAs duas coisas exigem aperfeiçoamento contínuo. Você precisa estar em constante treinamento e evolução do ser, buscando sempre se expressar de forma honesta e transmitir isso.
Cinema. Satisfação dos dublês.


IS – As câmeras, na verdade, realizam você porque…?

FRA importância maior está em trabalharmos com aquilo que nos dá prazer. Muitas pessoas nos veem em cena, mas não imaginam o quão doloroso foi para chegar até ali. São mais de 15 anos, literalmente, lutando por isso, levando uma vida comparável a de um atleta, com muitas restrições e abdicações, com horas, dias, meses de dedicação absoluta em ensaios e treinos, dormindo e acordando pensando nos próximos passos do nosso trabalho. Estar diante das câmeras é o momento mais sagrado de todo processo, pois é onde mostraremos o resultado de tanto esforço. Nesse momento você treme, sente frio, acha que não vai dar certo, enfim… revive tudo aquilo que viveu em meses de ensaio, nos poucos segundos antes de escutar o “AÇÃO”. É angustiante, e, ao mesmo tempo, inigualável. Então, finalmente, você põe em prática tudo o que aprendeu com dedicação e força de vontade, mais ainda: compartilha o que tem em sua alma, a capacidade de fazer sonhar e acreditar que, nesta vida, a gente pode ser tudo que quiser.
Cinema. Equipe unida.


IS – O Shaolin do Sertão, com uma palavra?

Cinema. Instante de lazer.
FRÚnico.
 

IS – Tem algo que você ame mais que atuar?

FRAtuar lutando.
 

IS – Projetos futuros?

Continue lendo

Ao povo da Cidade do Paulista – PE


Série Bem Fazer  com Paulo Fernando:
não só ouvir, mas agir — a base!
 

É imprescindível que um cidadão, uma vez candidato a um cargo público, seja sintonizado com a problemática que o rodeia. Mais que isso, seja compromissado e cheio do desejo de fazer uma gestão séria — o que está bastante difícil nos dias de hoje.

Só que nem todos pensam em si próprios, há gente que pense na coletividade. Paulo Fernando, candidato a vereador pela pernambucana Cidade do Paulista, é um desses.

Antes de apontar alguém de confiança, eu pesquiso, visualizo, estudo… Por isto, uma
 

ENTREVISTA

que vale a pena acompanhar. Deixe sua reflexão nortear você em relação às colocações do candidato.
 

IS – Quais as suas ações que buscarão melhorar a questão dos artistas, dos esportistas e dos professores?

PF – Paulista, hoje, precisa ser ouvida, vamos fazer diversas audiências públicas com a população e os poderes para realizar ações em prol desses seguimentos. Eu também, se caso eleito, quero criar uma lei que faça com que o prefeito contrate os artistas da cidade em shows no município. O esporte vai ser uma das nossas bandeiras, vejo no esporte uma forma de salvar jovens das drogas e os professores terão sempre meu apoio, eu sou filho de professora e casado com uma pedagoga.
Paulo Fernando - Número 12123.


IS – Como vê o atual momento da Cidade do Paulista e qual a sua ideia de política?

PF – Atualmente, Paulista está completamente abandonada, o atual prefeito e seus 15 vereadores não fizeram nada de produtivo ao município, nossa cidade não tem uma praça de qualidade, a unidade de pediatria fechou e, nas últimas chuvas de maio, a cidade ficou uma ilha devido à falta de manutenção das galerias.
Em contato com o povo.


IS – Sempre gosto de fazer esta pergunta a um candidato. O que a população pode esperar de diferente de você em relação aos vereadores que hoje estão exercendo mandato?

PF – Inovação, coragem, transparência e muito trabalho.
 

IS – Paulo Fernando por Paulo Fernando?

PF – Eu tenho um filho de 2 anos e o medo de ele crescer e ver nossa cidade da forma que vejo hoje. Então tomei a coragem de colocar nosso nome à disposição dos paulistenses como alternativa de mudança de verdade.
Sempre atencioso à população do Paulista.


IS – Sua mensagem super do Bem à população de Paulista!

PF – Vamos dar uma oportunidade à juventude, quem tem experiência, quem tem coragem de bater de frente com o sistema atual, vamos dar um basta à corrupção e tratar nossa cidade com dignidade e carinho. Então, no próximo domingo, vote certo: Paulo, 12123. Obrigado.

Politica é mais do que cidadania. É

Continue lendo

Dedicação à Arte, à Educação, ao necessário


Tássio Rennalli.
Série Bem Fazer com Tássio Rennalli:
no início, o amparo social

 

Em relação aos artistas pernambucanos, TÁSSIO, candidato por Recife, respondeu: “Infelizmente, vivemos em uma cidade que não tem representação cultural nos escalões políticos. Quero, como vereador, representar toda essa gama cultural no parlamento.”

Já sobre a Educação, parte da resposta de RENNALLI foi: “Iremos VALORIZAR A REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO, pois é vergonhoso os professores precisarem levar os materiais comprados com seu próprio dinheiro porque algumas escolas não oferecem as condições mínimas para um bom andamento das aulas.”

Extremamente vergonhoso! Temos o dever de mudar isso.
 

Aqui, nossa
ENTREVISTA
com ele, que sabe o que, com garra, defenderá bem.
 

IZAN SANT – Quem é Tássio Rennalli?

TÁSSIO RENNALLI Um jovem sonhador. Mas que irá realizar o que sonha de melhor para quem confia em minhas propostas. Advogado e graduando em Economia, desde cedo dedicado a projetos sociais.
 

IS – Como você enxerga o atual momento da nossa Recife?

TR – Recife não é diferente de outras capitais pelo Brasil, também entrou na crise econômica.  Temos hoje muitos bairros que precisam da atenção do poder público, nesse momento não culpo, de forma direta, a Prefeitura do Recife. Muitas das vezes falta um elo de ligação entre a comunidade e a Prefeitura, que seria o papel do vereador.
 

IS – Como candidato a vereador, quais as suas considerações para melhorar a questão da Educação?

TR – O Recife precisa com urgência de uma educação de qualidade; infelizmente, seriam horas e horas relatando aqui quais os problemas, fica mais fácil elencar algumas das propostas que levanto para melhorar a educação do Recife. Além de valorizar a remuneração dos docentes, iremos

CRIAR UMA MATÉRIA EXCLUSIVA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS E CIDADANIA/ORIENTAÇÃO ANTIDROGAS – É dever e direito de todo cidadão saber o que tem escrito na Constituição Federal.

PROPOR QUE OS CARGOS DE CARÁTER TÉCNICO DO PODER PÚBLICO DEVAM SER PREENCHIDOS POR CONCURSO PÚBLICO – Que a ascensão seja por mérito, combatendo desvios de função.

MAIS QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL – Propor ao Executivo que viabilize parcerias para realização de cursos de capacitação e profissionalizantes, tendo em vista o crescimento da cidade do Recife, gerando emprego e renda para os menos favorecidos.

LUTAR PARA QUE SEJA AMPLIADA AS ESCOLAS DE TEMPO INTEGRAL.
Tássio e sua alma gêmea: Raíssa. 

IS – Qual(is) a(s) sua(s) outras bandeira(s)?

TR – Penso que Saúde, Educação e Segurança são tripé basilar. Mas temos propostas para a área de infraestrutura, esporte, lazer, cultura, assistência social, idosos, crianças e direitos dos animais.


IS – Vamos falar sobre os artistas recifenses: os atores, diretores, cantores, compositores, artesãos, entre outros. Não há uma valorização pelo artista, como deveria haver, no município. E aí, onde entra o Tássio Rennalli?

TR Quero ser uma voz ativa nos interesses de TODOS esses Artistas. Sofri na pele, quando na juventude tinha uma banda alternativa, e, praticamente, pagava pra tocar e ter o trabalho divulgado nos shows.
Tássio Rennalli. Mais propostas.


IS – O que a população pode esperar de diferente de você em relação aos vereadores que hoje estão exercendo mandato?

TR – Pode esperar, acima de tudo, TRANSPARÊNCIA e HONESTIDADE, desde cedo aprendi com meus pais que o caminho da ética sempre é o melhor, e aprendi com a vida que tudo que vai, volta em dobro. Podem esperar um vereador ativo com todas as comunidades do Recife, independente de se tive ou não voto em algumas delas.
 

IS – Você faz, há muito tempo, trabalhos sociais muito bonitos, necessários: a atenção ao social é o maior deles. O que recebe como benefício pelas várias ações sociais que já vem realizando mesmo sem mandato?

TR – Carinho e sorrisos. Atuo além da esfera social, mas também na defesa jurídica de pessoas necessitadas, evitando injustiças, recebendo em troca atenção, amor e gratidão, que, por vezes, vale mais que qualquer dinheiro. Me sinto realizado quando faço isso!
Tássio Rennalli. Solidariedade faz bem à alma.


IS – Como vê a política nos dias de hoje?

Tássio e o colunista Izan Sant.TR – Suja, infelizmente. Mas com esperança de melhora. Muita gente nova e boa se candidatando.
 

IS – Qual a maior injustiça contra o ser humano, em sua opinião?

TRPrometer o que não pode cumprir.
 

IS – Uma mensagem aos eleitores indecisos, aos seus seguidores, aos que acreditam em seu trabalho de mudança para melhoria da nossa realidade… enfim, ao povo recifense?

TR – Quero pedir o voto do povo do Recife mais uma vez, porque acredito que assim como na outra eleição, fizemos uma campanha limpa, sem máculas, tendo centenas de amigos voluntários apoiando, indo às ruas, levantando nossas bandeiras, espalhando nosso projeto pelo Recife. Vejo hoje muitas candidaturas novas; algumas, novas só na disputa, porque as práticas são manchadas por ilegalidades e falta de ética, enganando as pessoas de boa fé. Pretendo ser um batalhador incansável contra esses políticos. Mas vamos fazer diferente nessa eleição, vamos votar em quem já mostrou que sabe fazer e quer mostrar trabalho. Só preciso de UMA chance. Só UMA.
 

"É. Política séria se faz assim, com

Continue lendo

Entrevista

VÊ, GALERA – Clica

msg do mês

Danielle Cruz - Msg do Mês de novembro

VOCÊ AQUI

Você Aqui - novembro de 2018

presente de artista

Aniversariantes

  • Adriana Birolli (atriz)
  • Alcione (cantora e sambista)
  • Alline Sarmento (advogada – Recife/PE)
  • Ana Paula Padrão (jornalista)
  • Angélica (cantora, apresentadora e atriz)
  • Antonia Guedes (técn. em Óptica, Igarassu/PE)
  • Conceição Teles (educadora: Ens. Médio – Olinda)
  • Deborah Secco (atriz)
  • Duca Rachid (novelista e dramaturga)
  • Emília Marques (atriz – Recife/São Paulo)
  • Fátima Sequeira (psicóloga, Rio de Janeiro)
  • Felipe Lima (ator)
  • Flávio Marcone (jorn./cineg./fotógrafo – Recife)
  • Francisco Cuoco (ator)
  • Gustavo Reiz (escritor e novelista)
  • Herson Capri (ator)
  • Iralvânia Nóbrega (pedagoga – Igarassu)
  • Jack Raf (estud.: Artes Cênicas, UFPE – Recife)
  • Jesiane Rocha (jornalista – Caruaru)
  • Jessany Sany (de 2o. grau completo – Recife)
  • Juan Lima (poeta e publicitário – Recife)
  • Lázaro Ramos (ator)
  • Luciana Mariano (prop. Lu Mariano Produções Ltda)
  • Luís Távora (ator – Recife)
  • Luiz Henrique Peixôto (prof./Informática – Paulista)
  • Marcus Vinitius (divulgador de eventos – Recife)
  • Marieta Severo (atriz)
  • Mônica Moraes (jornalista)
  • Natália Marinho (INNAM – Igarassu)
  • Natt Souza (atriz – Recife)
  • Rauani Castro (atriz e produtora – Recife)
  • Reynaldo Gianecchini (ator)
  • Thaís Araújo (atriz)
  • Thiago Fragoso (ator)
  • Thiago Nolasco (drag queen – Recife)
  • Thiago Pimenta (repres. comercial)
  • Tonny Vaz (cantor – Recife)
  • Vera Fischer (atriz)
  • Victor Gondim (modelo – Brasil/Pequim)
  • Will Tom (ator e theater – Rio de Janeiro)

Eventos

  • 02. Em São Paulo/SP: Peça teatral “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher, onde “mais do que amigos, os personagens são ‘irmãos’” – 21h – com Herson Capri e Genézio de Barros – SESC Santana / Av. Luiz Dumont Villares, 579
  • 03. Peça “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher, onde “mais do que amigos, os personagens são ‘irmãos’” – 21h – com Herson Capri e Genézio de Barros – SESC Santana / Av. Luiz Dumont Villares, 579, Santana/SP
  • 04. Peça teatral “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher, onde “mais do que amigos, 18 personagens são ‘irmãos’” – 21h – com Herson Capri e Genézio de Barros – SESC Santana / Av. Luiz Dumont Villares, 579, Santana/SP
  • 07. No Rio de Janeiro/RJ: estreia da peça “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher – 20h – de 07/11 a 30/11 – com Herson Capri e Genézio de Barros – Shopping da Gávea, Loja 264, 2º Piso / Rua Marquês de São Vicente , 52 – Gávea
  • 08. Peça “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher – 20h – de 07/11 a 30/11 – com Herson Capri e Genézio de Barros – Shopping da Gávea, Loja 264, 2º Piso / Rua Marquês de São Vicente , 52 – Gávea – Rio de Janeiro
  • 09. Em Olinda/PE: Toquinho e Demônios da Garoa apresentam De Vinicius a Adoniran – 21h30 – Plateia Especial: R$ 204 (inteira) e R$ 102 (meia), Plateia: R$ 164 (inteira) e R$ 82 (meia), Balcão: R$ 144 (inteira) e R$ 72 (meia) – Vendas: Bilheteria do teatro, lojas Ticketfolia e www.eventim.com.br. Teatro Guararapes / Centro de Convenções
  • 09. No Rio de Janeiro/RJ: peça “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher – 21h – de 07/11 a 30/11 – com Herson Capri e Genézio de Barros – Shopping da Gávea, Loja 264, 2º Piso / Rua Marquês de São Vicente , 52 – Gávea
  • 10. Em Recife/PE: Daniel Boaventura, dias 9 e 10 – 21h – Plateia Baixa Lateral: R$ 170 (inteira) e R$ 85 (meia), Plateia Alta: R$ 150 (inteira) e R$ 75 (meia), Balcão Nobre: R$ 130 (inteira) e R$ 65 (meia), Especial | Plateia Baixa Central: R$ 200 (preço único, com direito a CD DVD autografado e foto com o artista – Teatro RioMar / Av. República do Líbano, 251, 4º piso – RioMar Shopping
  • 14. No Rio de Janeiro/RJ: peça “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher – 20h – de 07/11 a 30/11 – com Herson Capri e Genézio de Barros – Shopping da Gávea, Loja 264, 2º Piso / Rua Marquês de São Vicente , 52 – Gávea
  • 15. Peça “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher – 20h – de 07/11 a 30/11 – com Herson Capri e Genézio de Barros – Shopping da Gávea, Loja 264, 2º Piso / Rua Marquês de São Vicente , 52 – Gávea, Rio de Janeiro
  • 16. Peça “As Brasas”, adaptação de Duca Rachid e Julio Fisher – 21h – de 07/11 a 30/11 – com Herson Capri e Genézio de Barros – Shopping da Gávea, Loja 264, 2º Piso / Rua Marquês de São Vicente , 52 – Gávea, Rio de Janeiro
  • 22. Em Cabo de Santo Agostinho/PE: “Frenesi”, peça teatral com Priscila Cardoso, Atriz Premiada em Recife pelo EmCena PE – 19h – Auditório Luiz Lacerda (ao lado da escola-modelo Antônio Benedito da Rocha) / Rua Linha, 72-132, Garapu
  • 30. Em Olinda/PE: Simone encontra Ivan Lins – 21h30 – Plateia Especial: R$ 244 (inteira) e R$ 122 (meia), Plateia: R$ 204 (inteira) e R$ 102 (meia), Balcão: R$ 154 (inteira) e R$ 77 (meia) – Teatro Guararapes / Centro de Convenções

Recomendo

Entrar

Arquivos