Recife

Neons e espaços do passado em Recife

Por Wilton Carvalho
 

Dos anos 70, época dos neons que iluminavam a cidade e, não satisfeitos, suas luzes refletiam no Rio Capibaribe, contemplando o mais lindo entardecer que a capital já viu. Quem viveu na época dos neons jamais esquecerá.
Recife: quando os neons imperavam!


Já se chamou Terreiro dos Coqueiros na época dos holandeses. Mas não ficou por aí, já teve o nome de Praça Grande, Praça do Comércio e Praça da Ribeira. Até de Praça do Polé já chamaram. Mas depois decidiram que seria Praça da União, aí o Brasil resolveu ser independente e, sem cerimônia, a praça passou a ser chamada de PRAÇA DA INDEPENDÊNCIA. Mas, por causa de um jornal que funcionava no local, é mais conhecida mesmo por Pracinha do Diário. Sábio é o povo.
Recife da Pracinha do Diário.


Seria mesmo a RUA DO SOL a mais ensolarada do Recife? Seria mesmo a Rua do Sol a que mais recebe os raios do sol na maior parte do dia? Mas de uma coisa eu tenho certeza: começa na ponte Princesa Isabel, termina na ponte da Boa Vista e, no meio, passa pela ponte Duarte Coelho. Com sol ou sem sol, eita rua importante!
Rua do Sol que encantava os olhos do Recife.


Antes, era a PRISÃO; hoje, aprisiona os corações dos turistas.
O Recife não mais em ritmo de prisão.


NESTA NOSSA QUINTA FOTO…

Continue lendo

Poeticamente Forte

Por Wilton Carvalho

Por vezes, gosto de fazer uns versos

Com essa belíssima ilustração, 
Apresento a foto quinzenal 
Para esse site sem igual 
Chamado Papo de Bem. 
O artista é Camões, 
Que faz um grande trabalho 
Pintando um belo cenário 
De Recife e Olinda também.

Forte do Picão.
FORTE DO PICÃO

Eu escolhi essa ilustração muito interessante do artista plástico e pintor Eduardo Camões, que utiliza uma técnica apurada para recriar paisagens em cores que só existem nos registros fotográficos em preto e branco. Sua pintura segue fielmente ao que, de fato, é apresentado em fotos sobre documentações históricas, daí a perfeição que Camões consegue alcançar.”

(Wilton Carvalho)

Continue lendo

Avenida, hotel e pontes do Recife

Por Wilton Carvalho

Avenida Boa Viagem e Hotel Boa Viagem. 

O bairro de Boa Viagem surgiu como abrigo e apoio aos viajantes que passavam por aquela localidade em direção ao sul do Estado.
Avenida e Hotel Boa Viagem.

Na década de 1920, veio a revolucionária obra da construção da avenida, que até então era chamada de Avenida Beira Mar, mas logo depois recebeu o nome de Avenida Boa Viagem. Por ela passavam bondes e, depois, o trem da Maxambomba. Casas de veraneio foram surgindo e o lugar pitoresco e calmo foi se tornando muito cobiçado. Até que surgiu um grande hotel de classe internacional na avenida. O ano era 1954, e o hotel foi chamado de Hotel Boa Viagem. Era o que faltava para a praia de Boa Viagem e o bairro de Boa Viagem se tornasse um dos locais mais cobiçados do Recife. Atualmente o hotel não existe mais, em seu lugar está um arranha-céu.
 

Vista aérea do Recife e suas pontes. 

De baixo para cima: a ponte da Boa Vista, a ponte Duarte Coelho e a ponte Princesa Isabel. Cada uma com sua história e sua importância.
Vista aérea do Recife e suas pontes.

A ponte da Boa Vista, inicialmente, surgiu um pouco mais pra direita, mais perto da Casa da Cultura. Era de Madeira e foi construída por Maurício de Nassau. Posteriormente foi substituída por uma de ferro e no seu lugar atual, em 1865. Por ela, passaram muitos bondes, carros e pedestres que atravessavam do bairro da Boa Vista para o de Santo Antônio.

A ponte Duarte Coelho está ali desde 1943, mas já existiu, no mesmo local, uma ponte de ferro por onde passava o trem da Maxambomba. A atual ponte Duarte Coelho teve grande importância nas mudanças da cidade e principalmente no fluxo do trânsito. A Avenida Conde da Boa Vista foi alargada e a Avenida Guararapes foi aberta e a ponte foi a peça fundamental para a ligação dessas importantes avenidas do Recife.

Continue lendo

Recife: algumas áreas no antes e depois

Por Wilton Carvalho
 

Na nossa presente viagem ao passado, vemos aqui a Rua Carlos Porto Carrero, rua em frente ao Colégio Americano, na Rua Dom Bosco, Boa Vista.
A foto antiga é de 1923 (Fonte: Fundaj). A foto atual é do Google Maps 2016.
Recife. Rua Carlos Porto Carrero, 1923.

 

Agora, a Igreja Batista do Cordeiro, no bairro de mesmo nome.
Foto antiga: 1950 (Fonte: Site da Igreja Batista). Foto atual: Google Maps 2016.

Recife. Igreja Batista do Cordeiro, 1950.

 

Avenida Dantas Barreto, em frente à Igreja Matriz de Santo Antônio, bairro de Santo Antônio.
A foto antiga é da década de 1920 (Fonte: IAHGP). Foto atual é do Google Maps 2016.

Recife. Avenida Dantas Barreto.

 

Rua São José do Ribamar e Igreja de São José do Ribamar, bairro de São José
Foto antiga: década de 1940 (Fonte: Fundaj).
Foto recente: autoria de Wilton Carvalho, em 2015.

Recife. Rua São José do Ribamar, década de 1940.

 

Igreja do Paraíso, no extinto Pátio do Paraíso, bairro de Santo Antônio. 
Foto antiga: meados do século XX (Fonte: Fundaj) — A Igreja foi demolida.
Foto recente: Edifício Santo Albino, construído no mesmo local da Igreja do Paraíso (Fonte: Google Maps em 2015).

Recife. Igreja do Paraíso.

 


Fechando com chave de ouro nosso post

Continue lendo

Momento Poesia & Força — Autoajuda

Texto e foto: Eduardo Neto
 

Não percas o encanto ao fechar das portas,
Não temas o futuro.

Nenhuma corrente é capaz
De aprisionar uma mente livre.
Não existe fim sem recomeço.
Nem arrependimento da total entrega.

A dor é a circunstância da luta.
Só vence quem apanha, quem cai.
O cálice estará sempre cheio.
Ainda que a noite fria te dissipe frio e medo,
O Sol sempre te sorrirá um novo dia.

Autoajuda. Natureza e força.

E a gente encerra com palavras do autor, justificando o poema

Continue lendo

Recife de Antigamente: ruas e avenidas


Quais eram os nomes delas?

Por Wilton Carvalho

Avenida Conde da Boa Vista

Inicialmente o trecho da avenida que vai da Rua da Aurora até a Rua Gervásio Pires chamava-se Rua Formosa, nome dado pela população devido à beleza do lugar. Da Rua Gervásio Pires até a Rua Dom Bosco chamava-se Caminho Novo. Quem iniciou os aterramentos do local foi Francisco do Rego Barros, em 1840, até então o presidente da Província de Pernambuco. Em 1870, o trecho da Rua Formosa recebe o nome oficialmente de Rua Conde da Boa Vista e, posteriormente, a rua passou para avenida da Rua da Aurora até a Rua Dom Bosco. (Fonte: Fundação Joaquim Nabuco)
Avenida Conde da Boa Vista.    
 

Avenida Guararapes

No início do Século XX, o bairro de Santo Antônio ainda era um bairro cheio de sobrados e de ruas estreitas, todo tráfego de bondes, cavalos e charretes era feito utilizando a Rua Nova e seguindo pela Ponte da Boa Vista em direção ao bairro da Boa Vista. Onde hoje existe a Avenida Guararapes era uma rua sem expressão e estreita. Com a demolição de sobrados e aberturas de novas ruas, um novo trecho foi contemplado, justamente o da Guararapes. A rua foi aberta dando origem à avenida de que antes chamava-se Avenida 10 de Novembro e, adiante, passou a ser a atual Avenida Guararapes, em homenagem à Batalha dos Guararapes. (Fonte: Fundação Joaquim Nabuco)
Avenida Guararapes.
 

Rua da Aurora

Antes um pântano, conhecido como Pântano do Cassimiro, dono das terras em 1806. Já naquela época, recebia a denominação de Aurora, por receber os primeiros raios do sol. A expansão da rua ia acontecendo por trechos. O primeiro trecho a ser arruado foi o da Ponte da Boa Vista até a Rua Formosa (atual Avenida Conde da Boa Vista). O segundo trecho seguia da atual Avenida Conde da Boa Vista até a Rua do Riachuelo, este surgiu por volta de 1840. Em seguida, o terceiro trecho ia da Riachuelo até a Rua Princesa Isabel. E, após, foram feitos outros trechos, chegando até a Ponte do Limoeiro com a atual Avenida Norte. (Fonte: Carlos Bezerra Cavalcanti, no livro: O Recife e Suas Ruas)
Rua da Aurora.
 

Rua do Sol

Trecho que vai da Ponte Princesa Isabel até a Ponte da Boa Vista. Seu nome vem do fato de receber os raios do sol durante quase toda a parte do dia, mas já foi chamada Cais do Machado. A prefeitura, no entanto, tentou colocar outros nomes, como Rua Dr. Ivo Miquelino e Rua Major Codiceira, contudo a população a batizou de Rua do Sol e até hoje é chamada assim. (Fonte: Fundação Joaquim Nabuco)
Rua do Sol.
 

Rua do Bom Jesus

Uma das mais importantes ruas do Bairro do Recife. Na época dos holandeses, era chamada de Rua do Bode, mas também já foi chamada de Rua da Cruz, dos Judeus e do Comércio. O nome de Rua do Bom Jesus, vem do antigo Arco do Bom Jesus, que existia até 1850 e funcionava como uma das portas de entrada da cidade. Em 1635, foi construída a primeira sinagoga das Américas. (Fonte: Fundação Joaquim Nabuco)
Rua do Bom Jesus.
 

Rua do Riachuelo

A localidade onde existe hoje a Rua do Riachuelo, compreendia antigamente como áreas alagadas e pantanosas, existindo nas proximidades a camboa do Riachuelo, que foi aterrada. Já foi chamada de Rua do Canal e, após a alteração da camboa, surgiu a bela Rua do Richuelo, que inicialmente era considerada uma avenida. Foram construídas belas casas, e os canteiros centrais e calçadas recebiam paralelepípedos importados da Europa. (Fonte: Fundação Jaquim Nabuco)
Rua do Riachuelo.
 

Rua Real da Torre

Continue lendo

Jovens recifenses de antigamente

Por Wilton Carvalho

Cine Olympia, anos 40, no bairro do Arruda. Diversão certa para os jovens da localidade.
Cine Olympia.


As meninas faziam caminhadas pelas ruas do Recife, especialmente na Rua Nova; essa prática era conhecida como “footing”: ação de caminhar para verem e serem vistas. Anos 20.
Recife: passeio pela cidade.


Com o advento dos automóveis, iniciou-se uma nova fase para os jovens, acostumados aos bondes. A época é a década de 30, e o automóvel começava a ser artigo de luxo e cobiçado pela juventude.
Recife: o automóvel nos anos 30.

Praia de Boa Viagem, na década de 70. Os encontros eram na frente do Edifício Acaiaca, onde jovens marcavam presença, em especial aos domingos.
Recife: tomando um sol na década de 70.


E NESTA FOTO ABAIXO, VOLTANDO AOS ANOS 20…

Continue lendo

Praça e Cruz, Recife anos atrás…

Por Wilton Carvalho
 

A PRAÇA DA INDEPENDÊNCIA já teve diversos nomes, como Terreiro dos Coqueiros, Praça do Polé, Praça da União e, finalmente, em 1833, recebeu o nome atual.
A Praça da Independência.

Ela também é conhecida popularmente como Pracinha do Diario, pelo fato de que o jornal Diario de Pernambuco se estabelecia naquele local em seu edifício imponente e devido à grande importância do Diario no Recife desde o século XIX.

A praça também sofreu várias mudanças físicas e não era exatamente como é hoje. Até o início do século XX, ela só ocupava um pequeno espaço nas proximidades da Rua Primeiro de Março e da Duque de Caxias, pois havia um quarteirão de sobrados mais próximo da Igreja Matriz de Santo Antônio e da Rua Nova; este foi destruído para ampliação do bairro de Santo Antônio. (Foto: Coleção de Postais do Recife)
 

A CRUZ DO PATRÃO (da foto a seguir) encontra-se na zona norte do Porto do Recife, logo após o Forte do Brum.

Continue lendo

Dedicação à Arte, à Educação, ao necessário


Tássio Rennalli.
Série Bem Fazer com Tássio Rennalli:
no início, o amparo social

 

Em relação aos artistas pernambucanos, TÁSSIO, candidato por Recife, respondeu: “Infelizmente, vivemos em uma cidade que não tem representação cultural nos escalões políticos. Quero, como vereador, representar toda essa gama cultural no parlamento.”

Já sobre a Educação, parte da resposta de RENNALLI foi: “Iremos VALORIZAR A REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO, pois é vergonhoso os professores precisarem levar os materiais comprados com seu próprio dinheiro porque algumas escolas não oferecem as condições mínimas para um bom andamento das aulas.”

Extremamente vergonhoso! Temos o dever de mudar isso.
 

Aqui, nossa
ENTREVISTA
com ele, que sabe o que, com garra, defenderá bem.
 

IZAN SANT – Quem é Tássio Rennalli?

TÁSSIO RENNALLI Um jovem sonhador. Mas que irá realizar o que sonha de melhor para quem confia em minhas propostas. Advogado e graduando em Economia, desde cedo dedicado a projetos sociais.
 

IS – Como você enxerga o atual momento da nossa Recife?

TR – Recife não é diferente de outras capitais pelo Brasil, também entrou na crise econômica.  Temos hoje muitos bairros que precisam da atenção do poder público, nesse momento não culpo, de forma direta, a Prefeitura do Recife. Muitas das vezes falta um elo de ligação entre a comunidade e a Prefeitura, que seria o papel do vereador.
 

IS – Como candidato a vereador, quais as suas considerações para melhorar a questão da Educação?

TR – O Recife precisa com urgência de uma educação de qualidade; infelizmente, seriam horas e horas relatando aqui quais os problemas, fica mais fácil elencar algumas das propostas que levanto para melhorar a educação do Recife. Além de valorizar a remuneração dos docentes, iremos

CRIAR UMA MATÉRIA EXCLUSIVA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS E CIDADANIA/ORIENTAÇÃO ANTIDROGAS – É dever e direito de todo cidadão saber o que tem escrito na Constituição Federal.

PROPOR QUE OS CARGOS DE CARÁTER TÉCNICO DO PODER PÚBLICO DEVAM SER PREENCHIDOS POR CONCURSO PÚBLICO – Que a ascensão seja por mérito, combatendo desvios de função.

MAIS QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL – Propor ao Executivo que viabilize parcerias para realização de cursos de capacitação e profissionalizantes, tendo em vista o crescimento da cidade do Recife, gerando emprego e renda para os menos favorecidos.

LUTAR PARA QUE SEJA AMPLIADA AS ESCOLAS DE TEMPO INTEGRAL.
Tássio e sua alma gêmea: Raíssa. 

IS – Qual(is) a(s) sua(s) outras bandeira(s)?

TR – Penso que Saúde, Educação e Segurança são tripé basilar. Mas temos propostas para a área de infraestrutura, esporte, lazer, cultura, assistência social, idosos, crianças e direitos dos animais.


IS – Vamos falar sobre os artistas recifenses: os atores, diretores, cantores, compositores, artesãos, entre outros. Não há uma valorização pelo artista, como deveria haver, no município. E aí, onde entra o Tássio Rennalli?

TR Quero ser uma voz ativa nos interesses de TODOS esses Artistas. Sofri na pele, quando na juventude tinha uma banda alternativa, e, praticamente, pagava pra tocar e ter o trabalho divulgado nos shows.
Tássio Rennalli. Mais propostas.


IS – O que a população pode esperar de diferente de você em relação aos vereadores que hoje estão exercendo mandato?

TR – Pode esperar, acima de tudo, TRANSPARÊNCIA e HONESTIDADE, desde cedo aprendi com meus pais que o caminho da ética sempre é o melhor, e aprendi com a vida que tudo que vai, volta em dobro. Podem esperar um vereador ativo com todas as comunidades do Recife, independente de se tive ou não voto em algumas delas.
 

IS – Você faz, há muito tempo, trabalhos sociais muito bonitos, necessários: a atenção ao social é o maior deles. O que recebe como benefício pelas várias ações sociais que já vem realizando mesmo sem mandato?

TR – Carinho e sorrisos. Atuo além da esfera social, mas também na defesa jurídica de pessoas necessitadas, evitando injustiças, recebendo em troca atenção, amor e gratidão, que, por vezes, vale mais que qualquer dinheiro. Me sinto realizado quando faço isso!
Tássio Rennalli. Solidariedade faz bem à alma.


IS – Como vê a política nos dias de hoje?

Tássio e o colunista Izan Sant.TR – Suja, infelizmente. Mas com esperança de melhora. Muita gente nova e boa se candidatando.
 

IS – Qual a maior injustiça contra o ser humano, em sua opinião?

TRPrometer o que não pode cumprir.
 

IS – Uma mensagem aos eleitores indecisos, aos seus seguidores, aos que acreditam em seu trabalho de mudança para melhoria da nossa realidade… enfim, ao povo recifense?

TR – Quero pedir o voto do povo do Recife mais uma vez, porque acredito que assim como na outra eleição, fizemos uma campanha limpa, sem máculas, tendo centenas de amigos voluntários apoiando, indo às ruas, levantando nossas bandeiras, espalhando nosso projeto pelo Recife. Vejo hoje muitas candidaturas novas; algumas, novas só na disputa, porque as práticas são manchadas por ilegalidades e falta de ética, enganando as pessoas de boa fé. Pretendo ser um batalhador incansável contra esses políticos. Mas vamos fazer diferente nessa eleição, vamos votar em quem já mostrou que sabe fazer e quer mostrar trabalho. Só preciso de UMA chance. Só UMA.
 

"É. Política séria se faz assim, com

Continue lendo

Mais “Túnel do Tempo” do nosso Capibaribe

Por Wilton Carvalho e Izan Sant

Opa, gente, tudo bem?

Abrindo setembro, em mais uma homenagem ao Rio Capibaribe, o Cão Sem Plumas de João Cabral de Melo Neto, a Galeria RecifAntigamente traz novas fotos pra você.

Com frases máximas legais, aproveitando o tema.

 

“O amor é um rio onde as águas de dois ribeiros se misturam sem se confundir.” (Jacques Bossuet)

Rio Capibaribe 1
 

“A árvore não prova a doçura dos próprios frutos; o rio não bebe suas próprias ondas; as nuvens não despejam água sobre si mesmas. A força dos bons deve ser usada para benefício de todos.” (Provérbio hindu)

Rio Capibaribe 2
 

“O rio atinge seus objetivos porque aprendeu a contornar obstáculos.” (Lao-Tsé)

Rio Capibaribe 3

 

“O talento se desenvolve na solidão; o carácter, no rio da vida.” (Johann Goethe)

Rio Capibaribe 4
 

“Todo mundo chama de violento a um rio turbulento, mas ninguém se lembra de chamar de violentas as margens que o aprisionam.” (Bertolt Brecht)

Rio Capibaribe 5
 

Estas últimas máxima e fotografia são tão fantásticas quanto as outras

Continue lendo

Entrar

presente de artista

Bem-kete

Agora em janeiro, você vai praticar qual dessas boas ações?

Ver Resultados

Carregando ... Carregando ...

msg do mês

Ana Carla - MSG DO MÊS

Aniversariantes

  • Ary Fontoura (ator)
  • Cássia Kiss (atriz)
  • Cris Almeida (produtora cultural – Paulista/PE)
  • Cristiano Andrade (diretor executivo – Recife)
  • Danilo Tácito Rufino (ator – Niterói/ RJ)
  • Djavan (músico e cantor)
  • Emilio Orciollo Netto (ator)
  • Everton Tonetto (ator – Recife)
  • Filipe Pires (gerente Prime Bar/Comedoria – Recife)
  • Geraldo Azevedo (músico e cantor)
  • Gessyca Barbosa (profa./Educ. Física – Olinda/PE)
  • Grace Lira (bailarina – Jaboatão dos Guararapes)
  • Guilherme Fontes (ator/diretor de cinema)
  • Heitor Souto (modelo – Recife)
  • Isidro Manuel Marques (Taekwondo – Setúbal/POR)
  • Izan Sant (escritor, dramaturgo, roteirista, colunista)
  • Jaime Bomfim (diácono – Ilha de Itamaracá/PE)
  • Jô Soares (artista)
  • Karol Spinelli (atriz – Recife)
  • Lara Fabian (cantora, compositora e letrista)
  • Laryssa Moura (blogueira e Youtuber)
  • Luciano Camargo (cantor)
  • Maitê Proença (atriz)
  • Marcello Antony (ator)
  • Maria Luíza Nóbrega (universitária – Igarassu/PE)
  • Mateus Fagundes (repórter – SP)
  • Mateus Nachtergaele (ator)
  • Nando Reis (músico e cantor)
  • Nicete Bruno (atriz)
  • Pandycex Grimaldd GriNhuar (publicitário – RJ)
  • Patrícia Pillar (atriz)
  • Paulo Vilhena (ator)
  • Raoni Velozo (produtor executivo – Paulista)
  • Sandra Tavares (advogada – São Paulo)
  • Sandy (cantora)
  • Severina Dantas (advogada/pedagoga – Igarassu)
  • Tatiana Issa (atriz e produtora – Brasil/Nova Iorque)
  • Vítor de Oliveira (roteirista – São Paulo)
  • Willames De Morais Lima (segurança – Itapissuma)
  • Yeda Maria Cavalcanti (fonoaudióloga – Igarassu)

Eventos

  • 06. Marília Mendonça, Léo Santana e Aviões do Forró – 20h – R$ 50 (arena), R$ 100 (VIP), R$ 200 (lounge – open bar) Praia de Tamandaré, Litoral Sul de Pernambuco – Telefone: 3441-9660
  • 09. Caetano Veloso e seus filhos Moreno, Zeca e Tom – 21h – Plateia baixa: R$ 260, R$ 130 (meia); Plateia alta: R$ 200, R$ 100 (meia); Balcão nobre: R$ 140, R$ 70 (meia) – Vendas: bilheteria e site www.ingressorapido.com.br – Teatro RioMar Recife / Avenida República do Líbano, 251, Pina – Informações: www.teatroriomarrecife.com.br
  • 27. Alceu Valença, Preta Gil, Babado Novo, Silvana Salazar e Patusco: Arena: R$ 80, R$ 40 (meia), R$ 50 + um quilo de alimento (social); Front: R$ 140, R$ 70 (meia), R$ 80 + um quilo de alimento (social); Lounge Open Bar: R$ 170; Mesa para 4 pessoas: R$ 350; Camarote para 10 pessoas: R$ 2.500 – Vendas: Riachuelo, Litoraneus, Ingressos Prime, Ticket folia, Recife Ingressos, Bilheteria Digital e Central da Folia – Clube Internacional do Recife / Avenida Benfica, 505, Madalena

FOTO DE BEM

Marlon - FDB

Facebook

Entrevista

Arquivos

VÊ, GALERA – Clica